Santo do Dia

23

Jun

2021

São José Cafasso, Presbítero

S. José Cafasso, Presbítero

Nasceu em Castelnuovo d’Asti, Piemonte, Itália, em 1811.

Educado no seminário de Chieri, sendo de uma família rica.

Jovem sacerdote ainda, foi nomeado professor de teologia moral no Colégio Eclesiástico de São Francisco em Turim, o qual acolhia jovens padres de diversas dioceses.

Mais tarde, foi eleito Superior do Colégio e como tal ficou até à morte.

Deixou a sua marca como notável diretor espiritual e pregador. Levou uma vida de penitência, sendo destacado a sua devoção ao Santíssimo Sacramento.

Como confessor, tinha o dom de ver o que se passava na mente das pessoas, e assim conseguia regenerar os corações mais empedernidos.

A partir de 1827, dirigiu João Bosco no seu apostolado com rapazes e ajudou-o a instalar-se em Turim. É considerado co-fundador dos Salesianos.

Quando já estava bem doente, fez um testamento deixando os seus bens para José Cottolengo e para João Bosco. Ambos santos!

São João Bosco fez a oração fúnebre para uma enorme multidão e longas filas se formaram para prestar a última homenagem a este notável santo.

São João Bosco escreveu a sua vida, pois José foi seu professor, conselheiro e diretor espiritual por 20 anos.

Faleceu em 23 de Junho de 1860 em Turim e foi canonizado em 1947 pelo Papa Pio XII.

São José Cafasso, rogai por nós

Com São Bento Menni, Presbítero, Fundador

Colabore com as iniciativas de apostolado da Campanha e o socorro aos menos favorecidos.
"Deus ama quem dá com alegria!"
(2Cor 9,2)

Clique no botão e faça sua doação!

5 Presentes que ganhamos lendo o Santo do Dia

Você sabe porque é muito importante ler a vida do Santo do dia?

Os verdadeiros seguidores e discípulos de Nosso Senhor Jesus Cristo colocaram em prática na sua vida a doutrina e os ensinamentos da Santa Igreja.

Jovens ou velhos, religiosos ou seculares, pais ou mães de família, meninos ou meninas, eles tiveram problemas, dificuldades e tentações. Lutaram e venceram. Ou, caíram no pecado, se arrependeram e e reergueram com a graça de Deus, como Santo Agostinho.

Como venceram a ira, a preguiça, a inveja, os maus desejos e todas as demais tentações? Que fizeram para se protegerem do mal? Para se fortalecer e progredir,  vencer e triunfar?

Lendo a vida dos Santos, encontraremos as respostas.

O Santo Cura d’Ars lia todos os dias a vida do santo de cada dia e dizia:

“Leiamos sobretudo a vida de algum santo, donde veremos o que eles faziam para se santificar. Isto nos animará”.

1) Com os Santos, nunca estamos sozinhos

Como diz São Paulo na Carta aos Hebreus (12,1) “estamos rodeados por uma nuvem de testemunhas” A Igreja foi fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo não apenas como uma instituição, mas uma autêntica família. Os santos mártires, confessores, doutores, as virgens, os santos pastores e todos os demais santos são realmente nossos irmãos que nos precederam no caminho da Fé e já estão no Céu, para onde também iremos nós, pela graça de Deus.

2) Os Santos são exemplos, amigos e verdadeiras imagens de Cristo

Os Santos, e sobretudo a Rainha de todos os Santos, Maria Santíssima, constituem para a Igreja e para nós exemplos, intercessores, amigos, protetores e mestres. Neles o próprio Cristo se manifesta, como diz o mesmo Jesus: Quem vos escuta, a Mim escuta (Lc. 10,16). Mais de 2000 anos depois da vida terrena de Jesus, podemos contemplar sua Sagrada Face espelhada naqueles que são fiéis à ação do Espírito Santo em suas almas.

3) Lendo a vida do Santo do dia temos um incentivo constante para o Bem

A vida dos Santos desperta em nós o desejo de seguir a Cristo.

Que melhores coisas podemos desejar do que a contemplação de um São Bruno? Ou a sabedoria de um São Tomás de Aquino? A integridade e ortodoxia de um Santo Atanásio? O desapego dos bens de um São Francisco? A pureza de uma Santa Inês? O ardor apostólico de um São Francisco Xavier? A amor às Sagradas Escrituras de um São Jerônimo?

4) Os Santos são modelos de todas virtudes: confiança em Deus, resignação, desapego.... e muito mais!!!

Santa Mônica alcançou de Deus a graça da conversão de seu filho, Santo Agostino. De seu marido  e de sua sogra… ! Por que não vou conseguir eu?

Se Santa Teresinha, que jamais deixou seu convento, se tornou padroeira das Missões, não posso eu também oferecer minhas limitações, dificuldades e sofrimentos pela salvação dos outros?

Se Santo Antão, deixou todos os seus bens para seguir a Cristo, eu vou deixar-me escravizar pelo desejo das coisas materiais?

5) Os Santos são faróis que nos indicam o verdadeiro porto

Ler a vida dos Santos. Venerar a recordação dos Santos. Contemplar seus exemplos. Pedir sua intercessão.

Os Santos são autênticos faróis que acendem e levantam diante de nossos olhos a luz de Cristo indicando-nos o único e verdadeiro porto da salvação para o qual devemos rumar: o Céu! Para lá chegarmos, suas vidas nos recordam a nossa grande vocação: sermos como eles, Santos!