São Bruno – O fundador dos cartuxos

Com profundo senso histórico, ao analisar a vida de São Bruno, Dr. Plinio extrai valiosos ensinamentos acerca do espírito medieval, contrastando a Fé e os costumes daqueles tempos com os dos dias atuais.

No dia 6 de outubro, a Igreja celebra a memória de São Bruno, fundador da Grande Chartreuse. Nasceu ele na cidade de Colônia, junto ao Reno, na Alemanha(1).

Assim narra uma ficha com sua história:

“Manassés, Arcebispo de Reims, o nomeou seu chanceler. Mas Manassés se deixava arrastar pela simonia. Bruno o acusou, o que lhe atraiu as perseguições do Arcebispo, que o privou de seus benefícios.”

Chama-se simonia a venda de bens ou cargos eclesiásticos, a qual é punida pela Igreja com as maiores penalidades. São Bruno, sendo já clérigo e chanceler do Arcebispo, verificando que este praticava tal pecado, imediatamente o denunciou. Por causa disso, foi perseguido e privado de todos os benefícios.

Idade Média, a era dos milagres

“Entre os doutores da Universidade de Paris, Bruno tinha um grande amigo, muito estimado e tido como virtuoso e sábio. O amigo morreu e todos os membros da Universidade assistiram seus funerais. Durante o serviço fúnebre, enquanto um dos pequenos coroinhas começava a lição de Jó: “Responde mihi, quantas iniquitates habes?’…”

Fazia parte da liturgia esta pergunta: “Responde-me, quantas iniqüidades tu tens?”

“…o corpo do defunto, que estava deitado no esquife, no meio da igreja, levantou a cabeça e disse com um tom de voz assustador:
— Sou acusado por um justo julgamento de Deus.
“E se deitou novamente no esquife”.

É cena tipicamente medieval, pois a Idade Média foi a era dos milagres. Estes vão atrás dos que creem e não dos incréus, embora pareça um paradoxo, pois se diria que milagre é para quem não tem Fé. Nas épocas de muita Fé, o milagre é abundante; nas de ceticismo, ele se torna raro. O único desmentido a isso ocorreu nos séculos XIX e XX, com os milagres quase contínuos de Lourdes.

Precisamos tomar em consideração que o medieval era homem como nós; realidade sobre a qual, às vezes, não se tem inteira noção, dada a distância que as pessoas de hoje sentem em relação aos tempos antigos. Então, para compreendermos o realce desse fato na vida de São Bruno, devemos imaginar aqui perto, na Igreja do Coração de Maria(2), um homem deitado no esquife e nós assistindo a cena. Em certo momento, o coro canta:
— Responde mihi quantas iniquitates habes?
O homem senta-se e diz:
— Eu estou punido por um justo castigo de Deus.

E de olhos fechados, com cara de cadáver, deita-se novamente.

Já imaginaram o efeito disso numa igreja? E sobre cada um de nós concretamente? Creio que a respeito disso haveria comentários durante, pelo menos, quinze dias, ocasionando ruptura de silêncio, falta de distância psíquica(3), etc. Pois bem, São Bruno teve a felicidade de assistir a esse episódio.

“O terror causado por um acontecimento tão pouco comum fez com que se adiasse o enterro para o dia seguinte, para ver o que sucederia.”

Hoje se enterraria na hora, para encerrar a história. Naquele tempo, havia Fé e as pessoas queriam verificar se aconteceria mais alguma coisa. Durante toda a noite, a igreja ficou cheia de povo, desejoso de ver o cadáver que falou, e esperando o momento no qual fosse lido aquele mesmo texto litúrgico.

Em nossos dias, a cena seria perturbada pela presença de rádio, televisão, repórteres, etc. Ou talvez se fizesse N-A-N-E(4) e algum jornal noticiaria o fato com o título: “Estranhos episódios de auto-sugestão na Igreja do Coração de Maria”.

“Durante o ofício, no dia seguinte, quando foi cantada a mesma lição, o cadáver exclamou com uma voz ainda mais horrível:
— Eu estou julgado por um justo julgamento de Deus.”

Aparente virtude desmascarada por Deus

Isso significava uma bênção para aquele povo, pois equivale a um verdadeiro retiro espiritual. Deus vai obrigar o cadáver de um condenado a declarar que ele estava julgado por um justo juízo de Deus! Mais terrível, é que era um homem tido como bom. E mais ainda, tinha entre seus amigos São Bruno.
“O povo ficou mais assustado ainda e decidiu enterrá-lo no outro dia. No terceiro dia, o cadáver levantou-se mais uma vez, exclamando com uma voz de estrondo terrível:
— Eu estou condenado por um justo juízo de Deus.”

Por que Deus quis, por essa forma, desmascarar a falta de virtude de um homem tido por todos como bom? Porque na Idade Média a virtude era incomparavelmente mais frequente do que em nossos dias. E os maus, muitas vezes, não ousavam apresentar-se na sua maldade, para terem livre trânsito entre os bons. Então, era preciso desmascarar a maldade e mostrar quantos homens falsos poderia haver sob aspecto virtuoso. Hoje é quase o contrário: é preciso desmascarar os bons, que se escondem tanto quanto possível, e os maus se mostram. Na Idade Média era necessário fazer com que os bons fossem vigilantes e não seguissem os maus que se fingiam de bons. É uma admirável lição de vigilância.

“O corpo do morto foi…”
Muitos estarão pensando “enterrado”. Porém, o texto assim continua:
“…jogado no lixo.”

Conforme São Tomás de Aquino, quando vier o fim do mundo, toda matéria sórdida, lixo e outros detritos que não tenham sido queimados serão jogados dentro do inferno, porque é a lata de lixo do Universo, para onde vão todas as almas e matérias que não prestam.

Fundação da Chartreuse

A ficha apresenta outros fatos isolados da vida de nosso santo.

“São Bruno se associou a seis companheiros.”

Trata-se da fundação da Chartreuse.

“Eles venderam todos os seus bens, depois foram à cidade de Grenoble. Lá havia um santo Bispo chamado Hugo. A visita de Deus precedeu de um modo admirável os sete companheiros, junto do santo Bispo. Este teve um sonho, no qual viu um imenso deserto onde Deus Padre construía para Si próprio uma casa para morar. Sete estrelas brilhantes, em forma de uma coroa elevada sobre a Terra — diferentes das estrelas do céu em situação, movimento e claridade — andavam diante dele como para lhe mostrar o caminho.”
Através desse sonho poético e bonito, vemos como a Idade Média era cheia de contrastes. Acabamos de recordar uma cena terrível: um condenado ao inferno obrigado a manifestar a justiça de Deus. Agora é o contrário.
Imaginemos o paço episcopal, onde um Bispo respeitável, venerável, santo, dorme tranquilamente o sono do justo, do homem sagrado e ungido por Deus. Consideremos a beleza do quadro: um deserto e o Pai Eterno. É digno ambiente para se manifestar o Pai Eterno um deserto onde ninguém vai e somente a majestade de Deus paira, como antes de criar todas as outras coisas Seu Espírito pairava sobre as águas (cf. Gn 1, 2). É uma solidão digna de Deus.
Depois o Bispo, no seu sonho, se vê caminhando rumo ao deserto com um bordão de peregrino, orientado por sete estrelas do céu, que formam uma coroa. Faz lembrar os reis magos seguindo a direção indicada pela estrela e indo para o Presépio de Belém. É uma coisa linda! Podemos imaginar a elevada expressão de fisionomia do santo, enquanto dorme, vendo essas estrelas que lhe aparecem.

Tudo isso nos introduz no ambiente da Idade Média, tão cheio de contrastes e coloridos. Antes o terror e agora o admirável. Nessa época histórica encontramos pouco o banal, do qual estamos repletos atualmente.
Continua a ficha:
“Santo Hugo não sabia o que significava essa visão quando, no dia seguinte, sete peregrinos vieram se prosternar a seus pés, comunicando sua resolução e pedindo-lhe que os ajudasse. Santo Hugo julgou que os sete peregrinos seriam, na sua diocese, estrelas resplandecentes por suas virtudes e sua doutrina.”

Não há nada mais belo que o encontro de almas santas

Voltemos a imaginar, no palácio episcopal, o santo sentado numa espécie de trono de madeira lavrada — numa sala com um reposteiro, uns vitrais, chão de pedra, um tapete, constituindo um ambiente de recolhimento — e os sete jovens que chegam. São pessoas resplandecentes de saúde, de Fé, de vontade de servir a Deus. Ainda cobertos pela poeira do caminho, eles se ajoelham diante de Santo Hugo.

Não há coisa mais bonita do que o encontro de almas santas: uma luz refletindo-se em outra e ambas se multiplicando. Daí nasce uma harmonia entre diversos seres, mais bonita do que um só ser. Uma nota do mais perfeito órgão tem menos pulcritude do que duas notas, ou três, formando um acorde. Assim esses santos formavam um acorde, uma harmonia de almas.

O santo Bispo, embevecido, vendo aqueles jovens, os quais, levados por alguma comunicação celeste, sabiam que lhes mostraria para onde deveriam ir. Então, de joelhos, pediram que lhes indicasse o caminho.

Essa cena daria para um vitral, uma iluminura, uma tapeçaria. Poderíamos julgar que essas formas artísticas medievais marcam fatos excepcionais da vida. Na verdade, elas reproduzem aspectos correntes da existência na Idade Média. Porém, tais aspectos tinham uma alta dignidade e mereceriam, portanto, ser retratados em matérias tão excelentes como a tapeçaria, o vitral, a iluminura.

“O Bispo os recebeu com alegria, pois esses homens poderiam dar glória a Jesus Cristo. Ele os estimulou e confirmou nas suas santas resoluções. E deu-lhes como lugar para se fixarem uns montes horrendos, perto de Grenoble, montes esses chamados La Grande Chartreuse.”

Lutavam contra a hostilidade da natureza cantando e glorificando a Deus

Esses montes horríveis, posteriormente, pela presença de São Bruno e seus filhos, tornaram-se famosos. Realmente, depois de serem cultivadas e adaptadas pelos cartuxos, aquelas montanhas formaram um panorama lindo.
Pode parecer estranho que o Bispo encaminhasse para um deserto horroroso almas tão eleitas. Mas fazia parte da vida monástica na Idade Média fixar os monges em pântanos, florestas, etc., porque ali eles lutavam contra os aspectos hostis da natureza pelo seu trabalho, enquanto cantavam e davam glória a Deus pela sua virtude. E as populações iam residir junto a eles, que constituíam a fina ponta do progresso. Época feliz, em que os povos devastavam os matos e entravam pelos desertos, não em busca do ouro mas da virtude. Como tudo mudou!
Era uma espécie de bandeirismo de oração. Não se iam procurar esmeraldas e sim virtudes. Que beleza! Não censuro a busca de esmeraldas, mas admiro a das virtudes.

“Eles construíram, no flanco da montanha, em honra da Santíssima Virgem, um oratório existente ainda hoje e que tem o nome de Santa Maria de Casalibus. É lá que São Bruno e seus companheiros iniciaram a vida de São João Batista.”

“Vida de São João Batista”, quer dizer aqui, recolhidos completamente.

Respeito à tradição

Outra coisa linda da Europa é o respeito à tradição. Quer os mais antigos e imponentes monumentos, que iniciaram as grandes obras, quer os pequeninos, sem importância, são guardados com cuidado.

Trata-se aqui de uma capelinha em honra de Nossa Senhora, que foi o ponto de partida dessa instituição de fama mundial hoje em dia, uma ordem religiosa com uma longa tradição na Igreja: os cartuxos. Segundo o espírito moderno, essa capelinha poderia ser destruída porque está envelhecida e foram ali construídas igrejas muito mais bonitas. Não! Ela foi o início daquelas edificações, e toda origem é respeitada e venerada. Por causa disso a capelinha é cuidadosamente preservada, como manifestação do espírito de tradição.

Na Rússia dos czares, havia uma coisa muito bonita. Em geral, as czarinas tinham seus filhos no Kremlin que, como se sabe, é um conjunto de palácios e fortalezas, num recinto fortificado. Em seu núcleo existia uma igrejinha com um sininho.

Segundo a tradição, quando nascia o primogênito do czar, tocava-se primeiro esse sininho, depois os sinos do Kremlin, e por fim, os de todos os campanários da Rússia. De “proche en proche”, iam assim espalhando a notícia do nascimento do herdeiro do czar. Quando soava aquele sininho velhinho, rachadinho, mas carregado de história, era o sinal para os outros sinos tocarem.

Este respeito à coisa veneranda, originária, primeira, empobrecida, encarquilhada pelo tempo — a qual, por isso mesmo, adquiria uma forma de beleza toda especial — caracterizava o espírito tradicional da Idade Média. Assim são as grandes instituições, como a dos cartuxos, cujo exemplo nos proporciona tais ensinamentos.

Em São Paulo há também nesse sentido algo interessante, no Parque do Ipiranga onde se proclamou a Independência nacional. No quadro de Pedro Américo — pintura princeps, que representa essa cena — figura uma casinha de caipira, a qual existe até hoje no meio do Parque, porque parece que naquele local se deu o ato famoso. É feita de taipa, sem nenhum valor arquitetônico, velhíssima; está disfarçada na vegetação porque ela não tem beleza, e pode ser visitada. Isso indica o respeito à coisa primeira, inicial. E assim, há outras coisas que se poderiam mostrar no Brasil e no mundo inteiro.

“Santo Hugo não tinha consolação mais sensível do que ir muitas vezes à Chartreuse, para se edificar com a vida santa que levavam esses valentes solitários.

“Urbano II foi discípulo de São Bruno.”

É outra glória de São Bruno: ter sido o mestre do Papa bem-aventurado que deu o primeiro toque de sino das Cruzadas.

Aparente contradição

“Na solitude da Calábria, São Bruno escrevia a seu amigo Raul, para encorajá-lo a renunciar ao mundo: ‘Não me é possível vos pintar a agradável perspectiva que formam as colinas que se elevam sensivelmente, e o profundo dos vales e das fontes, dos riachos e dos rios que regam essa região, e apresentam aos olhos os espetáculos mais encantadores.”

Refere-se aqui a uma outra Cartuxa, fundada na Calábria, no Sul da Itália, a qual, por exceção, tinha um panorama atraente. Pode-se perguntar por que São Bruno dava esse argumento a fim de chamar alguém para ser cartuxo. Não parece uma coisa inteiramente extravagante dizer: “Venha observar silêncio perpétuo, castidade, pobreza, obediência, porque aqui há uns riozinhos bonitos e umas fontes agradáveis para você ver”?

O argumento parece completamente desproporcionado com o sacrifício e refere-se ao mais estranho e disparatado dos turismos. Como explicar que São Bruno fizesse essa sugestão?

Evidentemente, deve-se entendê-la no contexto, como quem diz a uma alma piedosa, que quer isolar-se: “Vem, porque aqui há muitas criaturas belas que nos servem para dar glória a Deus. O lugar é propício para a oração.”
Ou seja, devemos nos elevar a Deus procurando nas coisas analogias com Ele, para glorificá-Lo.

Vivendo numa cidade de asfalto e cimento armado, não se tem essas coisas senão raramente. De qualquer forma, há sempre algo para se dar glória a Deus, por exemplo, um bonito slide ou filme, um belo panorama.

 

(Extraído de conferência
de 17/8/1973)

1) São Bruno nasceu em Colônia, no ano de 1030, e faleceu na Calábria, em 1101.
2) Situada em São Paulo, na Rua Jaguaribe, bairro de Santa Cecília.
3) Cf. “Dr. Plinio”, n. 106, janeiro de 2007, p. 25.
4) “Nada aprenderam, nada esqueceram” – Frase de Talleyrand, empregada por Dr. Plinio para designar a mentalidade daqueles que julgam os fatos de hoje, exatamente com os critérios errôneos em voga há décadas atrás. Por exemplo, os N-A-N-E consideram todas as coisas sob o ângulo dos velhos princípios laicos, e não compreendem que o campo decisivo dos acontecimentos mundiais é a vida interna da Igreja (cf. “Folha de São Paulo”, 5/4/70 e 12/4/70).

Envie seu comentário

Você pode estar interessado