Sagrada intimidade com Nossa Senhora e com a Santa Igreja

Encarnação do Verbo, celebrada em 25 de março, é a Festa da Escravidão a Maria Santíssima.

Com efeito, durante o tempo de sua gestação no claustro virginal de Maria, o Verbo Encarnado viveu uma dependência incomparável em relação a Ela. É o maior estado de submissão que se possa imaginar, pois a criança que está no seio materno vive da vida da mãe, e em tudo é conduzida e, por assim dizer, circunscrita por ela.

Como no estado de escravidão voluntária o escravo renuncia completamente à sua liberdade para ficar inteiramente contido e circunscrito pela vontade de seu senhor – de maneira que a sua vida é para o serviço de seu senhor, os seus pensamentos tendem ao seu senhor, os seus atos são para o serviço de seu senhor –, assim também era Nosso Senhor em relação a Nossa Senhora.

Portanto, quem quiser ser verdadeiro escravo de Nossa Senhora deve venerar, de modo muito especial, essa miraculosa e insondável sujeição de Jesus a Maria, em que o infinitamente maior se deixou dominar e conter pelo menor, na realização de um plano de Deus, de uma sabedoria que excede a qualquer cogitação humana.

Por outro lado, se tomarmos a sério a devoção apregoada por São Luís Maria Grignion de Montfort, compreenderemos que a Sagrada Escravidão comporta uma espécie de intimidade com Maria Santíssima por onde cada escravo trata à sua maneira com Ela, e Nossa Senhora aceita benignamente o modo de ser de cada um.

Desta forma, a Sagrada Escravidão à Santíssima Virgem tem um aspecto que poderia chamar-se “a sagrada intimidade com Nossa Senhora”, um sagrado e personalíssimo trato em que Ela é toda inteira como se existisse só para nós.

O mesmo poderíamos dizer a respeito da Igreja Católica. Para cada um dos que nela entram, a Santa Igreja abre um firmamento de beleza particular. Ela tem um jeito de encher até os bordos tanto a alma pequena quanto a grande, sendo para cada fiel como o maná que no paladar espiritual tem um sabor próprio feito completamente para aquele.

Assim, por mais diferentes que sejam os homens, cada católico sempre poderá afirmar: “A Igreja Católica é tal que se fosse feita para mim, ela seria exatamente como é”.(*)

 

Plinio Corrêa de Oliveira
* Excertos de conferências de 15/8/1970 e 16/3/1971.

 

Revista Dr Plinio 228 (Março de 2017)

Envie seu comentário

Você pode estar interessado