Plenitude de Inocência

Nossa Senhora é a criatura dourada por excelência. Antes de seu nascimento, não houve em toda a história da Antiguidade quem tivesse um espírito tão inocente quanto o d’Ela. A inocência que, à maneira de vestígio, ficara difusa pela antiga humanidade, revigorou-se em Nossa Senhora.

Imaculada, toda pura e sem mancha alguma de pecado, Ela praticou na ordem da inocência um ato de virtude tão imenso, que se revestiu de uma plenitude paradisíaca por nós inconcebível. E dessa plenitude deriva nossa própria inocência.

“Maria mons, Maria pons, Maria fons”: Ela é a montanha de Deus, a ponte que a Ele nos conduz, o oceano de graças de que todos nos beneficiamos.

Plinio Corrêa de Oliveira

Revista Dr Plinio 38 (Maio de 2001)

Envie seu comentário

Você pode estar interessado