Mirante altíssimo e grandioso

A meditação feita por São Vicente Ferrer sobre o Apóstolo virgem nos situa num mirante altíssimo e grandioso a partir do qual percebemos as civilizações que ruíram devido à imoralidade e à revolta; vemos o castigo que cai sobre o mundo de um modo tão trágico, porque abandonou a Deus

 

No dia 27 de dezembro a Igreja comemora a festa de São João Evangelista. Temos para comentar alguns trechos sobre ele, tirados dos sermões de São Vicente Ferrer(1).

Coroa real com quatro florões

No Livro de Ester, capítulo VI, há uma bela leitura.

O grande Rei, Imperador, Assuero perguntou uma vez a um seu conselheiro, homem muito sutil: “Que se há de fazer com alguém que o rei quer honrar?”

Depois que refletiu um pouco, respondeu o conselheiro: “Para honrar a quem o rei deseja honrar deve-se lhe vestir com as vestes reais, montá-lo sobre um cavalo da cavalariça real e cingir a sua fronte com uma coroa régia, e que o primeiro dos príncipes do rei leve a rédea de seu cavalo e, passeando pela praça da cidade, vá apregoando diante de todos. Assim se faz com aquele a quem o rei quiser honrar.”

O Senhor Jesus Cristo, Rei poderosíssimo, fez essas coisas com magnificência na pessoa de São João Evangelista.

A coroa que cingiu Jesus Cristo Homem, no momento de sua concepção, foi a Sabedoria perfeita. Porque a Sabedoria reside na cabeça como uma coroa.

A coroa de Cristo teve quatro florões como as coroas reais costumam ter. Na frente, a ciência da Trindade; atrás, a ciência de todas as criaturas, de todas as coisas pretéritas e futuras, e de todos os pensamentos dos corações; à direita, teve o conhecimento da glória do Paraíso e dos predestinados; à esquerda, teve conhecimento das penas infernais e dos que estão condenados ao Inferno com as causas de suas condenações.

São João Evangelista foi coroado com esta mesma coroa da Sabedoria. Foi assim coroado na noite da Paixão mais do que todos os outros Apóstolos. Reclinado sobre o Coração do Mestre, recebeu isto como dádiva esplêndida.

Por isso diz dele a Igreja em seu ofício: “Bebeu a água pura do Evangelho da fonte sagrada do peito do Senhor”.

Naquele instante foi-lhe imposta a coroa real com seus quatro florões: o conhecimento de Deus pelo qual João compôs o Evangelho; o conhecimento de todas as criaturas da glória e dos predestinados, com o qual escreveu a sua primeira Epístola Canônica; o conhecimento dos condenados, e por ele compôs o seu segundo e terceiro epistolário. Portanto, dele podemos dizer: “Coroa de ouro sobre sua cabeça, gravada com o signo da santidade”.

A coroa de ouro é, segundo a Teologia da Bíblia, o escrito dos doutores gravado com sinal da santidade. Porque a coroa da Sabedoria que é a Teologia não tem a força se não está assinalada com o sinal da santidade que é a vida digna. São João Evangelista a manifestou em altíssimo grau.

O conhecimento de Deus e de todas as coisas criadas

É realmente um lindíssimo comentário, à altura de São Vicente Ferrer. Ele toma como ponto de partida um trecho tipicamente oriental do Livro de Ester.

O rei pergunta ao conselheiro como se deve fazer com alguém que o monarca quer honrar. Então o conselheiro, depois de pensar, diz:

“O melhor é revestir esse homem de trajes reais, cingi-lo com uma coroa régia. Depois, montá-lo num cavalo da cavalariça real. Fazer com que uma das principais figuras da corte do rei tome o cavalo pela rédea e vá pelo meio da rua, dizendo para todo o povo: ‘Eis o homem a quem Deus quis honrar!’”

Então, como todos os trechos da Sagrada Escritura têm um sentido teológico, místico, aqui São Vicente Ferrer extrai um sentido profético no que diz respeito a São João Evangelista.

Ou seja, ele foi um dos prediletos de Nosso Senhor Jesus Cristo, e como tal um homem que o Redentor quis honrar aos olhos de todos, cingindo-o com a coroa do próprio Cristo. Qual?

Fixemos a atenção nisto porque é um ensinamento lindo para nós.

É a coroa da Sabedoria. Nosso Senhor recebeu essa coroa, diz São Vicente Ferrer, no próprio momento em que nasceu porque Ele gozava das formas mais profundas da Sabedoria.

No fundo, essa Sabedoria é o conhecimento de todas as coisas criadas e, sobretudo, o conhecimento de Deus. Então, a coroa possuía na frente um florão que era o do conhecimento de Deus. Outro que era do conhecimento de todos os corações dos homens, de maneira tal que ele conhecia toda a humanidade presente. Tinha depois um terceiro florão que lhe fazia conhecer toda a humanidade no Céu, toda a Igreja gloriosa e todos os espíritos bem-aventurados. E um quarto florão, quer dizer outro atributo, outra força de Sabedoria pela qual ele conhecia todas as almas que estão no Inferno, e as causas de suas condenações.

Visão sapiencial da Revolução e da Contra-Revolução

Vamos reunir esses conhecimentos, trabalhar um pouco sobre esse lindo pensamento de São Vicente Ferrer, e ver até onde ele conduz.

Conhecer todas as almas que estão na Terra não é só conhecê-las individualmente, alma por alma, mas também a sociedade humana, essas almas enquanto influenciando-se umas às outras. Portanto, a opinião pública, o ondular das grandes correntes de pensamento a propósito de todas as coisas importantes e, sobretudo, a respeito de Deus Nosso Senhor. É o conhecimento mais profundo que se possa imaginar da Igreja Católica, constituída de homens e, portanto, no seu estado presente, pode e deve ser conhecida exatamente como ela é nos homens que nela existem, nos efeitos da graça e do pecado nesses homens enquanto constituindo uma grande sociedade de almas.

São João Evangelista tinha o conhecimento do passado, do presente e do futuro, não como três pedaços isolados, sem nexo um com o outro. É evidente que ele conhecia o passado enquanto a fonte onde definir o presente; e o presente enquanto a fonte onde definir o futuro, o mais remoto, até o fim dos séculos.

Ele conhecia todo o processo histórico, toda a concatenação dos acontecimentos, das correntes ideológicas, religiosas, filosóficas, políticas, artísticas, culturais, da interpenetração dessas correntes, do modo pelo qual elas governam os homens, do processo pelo qual elas nascem umas das outras em virtude do jogo das circunstâncias, das graças e das tentações; tudo em função do livre-arbítrio humano. Tudo isso ele conhecia numa visão sapiencial e grandiosa.

Ele conhecia, entre outras coisas, o processo em nossos dias da Revolução e da Contra-Revolução. Ele via no futuro as figuras malditas do Renascimento, do Protestantismo, da Revolução Francesa e do Comunismo. Descortinava também as almas benditas preparadas por São Luís Grignion de Montfort cuja pregação foi uma espécie de luta ideológica ancestral da Chouannerie(2); via as almas da Contra-Reforma, como também as almas dos movimentos contrarrevolucionários posteriores; contemplou nossas almas e as almas que vão nos suceder numa luta até o fim do mundo; viu Elias, Henoc e tudo o mais.

Contato com o verdadeiro universo de belezas espirituais: Maria Santíssima

Portanto, o conhecimento que ele teve da História foi completo, não só enquanto ela se realiza sobre a face da Terra, mas também em seus pontos terminais. Ele viu a Igreja gloriosa, onde se encontram todos os que já foram julgados e gozam da visão beatífica. Ele viu depois todos os que estão no Inferno.

São Vicente Ferrer diz que São João viu no Inferno não só os que lá se encontram, mas por que ali estão. Significa que quando contemplou os do Céu, ele viu também por que lá estão. Logo, ele viu a Sabedoria, a Justiça e a Misericórdia de Deus exercendo-se no julgamento dos homens.

Ele pôde ver, assim, como os grandes movimentos da História levam os homens para o Céu ou para o Inferno. Ele teve, portanto, um conhecimento completo da História da humanidade.

Pergunto: do que adianta conhecer a História da humanidade? O que nos importa saber isso ou qualquer outra coisa, a não ser em função de Deus Nosso Senhor? Todo esse conhecimento sapiencial lhe foi dado como um meio para, na consideração da História do que sucede aos homens, que são a obra-prima da Criação visível, elevar-se a Nosso Senhor.

Então, o florão primeiro é o conhecimento de Deus. Os outros são florões colaterais; quão vastos, imensos, ricos, não há palavra humana que saiba dizer, mas meramente colaterais. Nesse conhecimento dos homens São João Evangelista conheceu Nossa Senhora, e podemos imaginar com que encantos, enlevos, venerações ele passou por esse verdadeiro universo de belezas espirituais que é Maria Santíssima.

Suprassumo da Sabedoria

Qual é a aplicação de tudo isto para nós? Devemos compreender bem o que é a verdadeira Sabedoria. Existe tanta gente por aí que, quando se fala que as criaturas refletem a Deus, pensa na florzinha, na graminha ou então na montanha, na águia, mas não cogita no homem. É bom pensar nessas coisas porque também espelham a Deus. Mas o por onde mais conhecemos o Criador através de suas criaturas é no homem, que sendo racional e tendo alma é feito à imagem e semelhança de Deus.

Conhecer o homem é conhecer não esta ou aquela alma individual, mas a contextura geral das relações entre as almas. Assim como quando Deus criou o universo e depois repousou, o Gênesis diz que Ele considerou que cada coisa era boa, mas o conjunto era ótimo, também quando olhamos os homens podemos nos extasiar diante da beleza de uma alma, mas o conjunto delas é mais bonito. Um santo é um sol de beleza, mas a Igreja Católica Apostólica Romana, que é o conjunto de todos os santos, é mais bela do que a pura soma aritmética de todos os seus santos.

O conjunto das almas humanas, os seus movimentos, as suas inter-relações, a sociedade de almas, as leis da História que nestas se verificam, cuja perfeição é decorrência das próprias perfeições de Deus, enquanto servindo para julgar os homens, tudo isto é o suprassumo da Sabedoria e, portanto, do conhecimento de Deus.

Lírio que floresce na noite, do lodo e sob a tempestade

Percebemos assim quanto fundamento há em insistir em que a vida espiritual se faça com esta riqueza, quando se procura utilizar, por exemplo, a temática “Revolução e Contra-Revolução” como um alimento para a vida espiritual.

As nossas reuniões são a aplicação de princípios da História, com um fundamento metafísico e teológico, aos acontecimentos presentes para nos situarmos numa espécie de mirante, de onde vemos esses acontecimentos e a nossa própria vida individual. Mirante altíssimo onde percebemos todos os séculos de civilizações anteriores que ruem numa espécie de catástrofe majestosa e grandiosa, e se espatifam em pedaços imundos de imoralidade e revolta. Castigo espetacular de um mundo grandioso que cai de tão alto e de um modo tão trágico porque abandonou a Deus. Vemos a grandeza desse castigo de nações inteiras que se liquefazem, se fundem e perdem seu espírito, que vivem dentro das ruínas de seu próprio passado, sem compreendê-lo.

Nessa liquefação de toda a humanidade para formar uma só massa animalizada e tendente para a barbárie, vemos algo de muito mais alto: a realização de um superior desígnio de Deus. Nas imensidades do castigo se nota a imensidade do pecado; mas pela imensidade do pecado percebe-se a imensidade e o poder d’Aquele que foi ofendido. Essa é uma visão que teria empolgado qualquer profeta.

De outro lado, notamos que quando tudo isso cai e se arrebenta no meio de toda a sujeira, de cá e de lá salta uma pérola, um brilhante, um rubi… São as graças da Contra-Revolução dadas para este e para aquele. É um laivo adamantino que se forma e revela a presença das melhores qualidades da humanidade nos seus melhores tempos. É o Reino de Maria que começou a sua força de regeneração dentro desse horror, como um sol que vai nascendo no meio das trevas mais trágicas de uma madrugada suja, ou à maneira de um lírio que floresce na noite, do lodo e sob a tempestade. Esse lírio é o conjunto das almas contrarrevolucionárias existentes pelo mundo, que agradam a Nossa Senhora e prognosticam o dia de amanhã.

Momento trágico e sublime em que Nossa Senhora quis que nascêssemos

Esta não é uma meditação nova, que escapa aos padrões clássicos da Igreja. Estamos vendo aqui uma meditação de São Vicente Ferrer feita exatamente segundo esses padrões. Ora, ele foi um grande profeta que previu uma porção de coisas do futuro, imenso missionário, uma das maiores figuras que a Igreja Católica tenha produzido.

Por vezes, quando temos dificuldades na vida espiritual, e não nos levantamos do fundo de nossos próprios defeitos, é porque não nos aplicamos às meditações próprias a alimentar o nosso amor de Deus, segundo a nossa vocação. Nossa Senhora preparou para nós não só os tesouros que estão ao alcance de todos os católicos, mas também outros que são gemas das melhores de dentro dos cofres inexauríveis da Doutrina Católica. Esses tesouros são essas meditações feitas a partir desse mirante magnífico e grandioso. É a consideração de nossa época, de nossas atividades pessoais, de nossa luta externa e interna, em função do momento trágico e sublime em que Nossa Senhora quis que nascêssemos.

Então, aqui está uma sugestão que sirva de alento e pórtico de esperança para as almas eventualmente aflitas, desconcertadas. E para as almas esperançadas que querem progredir ainda mais, eis um meio para maiores voos: colocarmo-nos nesse mirante que é o mais próprio para as meditações de homens na época contemporânea. Ver como Deus fala com a voz do trovão, mas tendo um sorriso, não direi paterno, mas materno para com esse lírio que Ele vai fazendo nascer do lodo. Deus em toda a sua grandeza, em toda a sua meiguice, falando em nossa época para nos santificar.

Que Nossa Senhora dê vida e força a essas palavras para que, realmente integrados nos pontos de vista de onde nossa vocação é compreensível, e dotados de energias espirituais que decorrem desta forma de fidelidade, possamos subir até as alturas às quais a Santíssima Virgem nos quer levar.   v

 

Plinio Corrêa de Oliveira (Extraído de conferência de 27/12/1969)
Revista Dr Plinio 261 (Dezembro de 2019)

 

1) Não dispomos dos dados bibliográficos da obra citada.

2) Movimento contrarrevolucionário originado na Bretanha a partir do descontentamento da população rural diante das medidas religiosas e políticas da Revolução Francesa, principalmente a criação de uma “igreja” constitucional e a venda dos bens da Igreja.

Envie seu comentário

Você pode estar interessado