Em cada coração, um presépio

Natal é o tempo da celebração da inocência. Não apenas nos remete para aquela gruta bendita na qual há pouco mais de dois mil anos, numa fria noite invernal, Deus veio estar conosco – o Emmanuel –, mas também exorta cada qual, sem palavras explícitas, à conservação, proteção ou recuperação da própria inocência.

Todos podem, diante de algum presépio, encontrar essa mensagem, que ressoa fortalecida pela ação da graça divina. Há não muito tempo ainda, neste período, a atmosfera geral era perfumada por algo de angélico, tocando o fundo das almas. Isso é mais evidente nas crianças, ainda não maculadas pelas faltas leves ou graves que o homem carrega durante a vida. Muitas vezes atinge também os corações adultos, inundando-os de saudades de um tempo maravilhoso no qual pareciam poder tocar o Céu.

Dr. Plinio entendia e vivia tudo isso profundamente. Para ele, a defesa e a recuperação da inocência são tarefas fundamentais para a nossa salvação.

Na época da infância de Dr. Plinio, a comemoração do nascimento do Menino Deus tomava conta de toda a cidade, pervadindo a todos de uma paz sobrenatural, prelibação da bem-aventurança eterna. E aqueles poucos que não deixavam se tomar pelas graças, ao menos respeitavam os sentimentos da imensa maioria. Era, pois, para quase todos uma renovação da inocência, um reverdejar das melhores disposições de alma, um propósito de ser melhor para com Deus, para consigo e para com os seus semelhantes. E assim se produzia uma expansão de benquerença geral.

Nos nossos dias em que as festas verdadeiramente natalinas vão se esvaziando cada vez mais, reduzidas quase tão só a uma expressão consumista, ainda a graça bate à porta de incontáveis corações, convidando cada um a permitir que Jesus faça nele seu presépio, e que venha ali habitar com Nossa Senhora e São José. E assim, bem dentro de nós, nos conceda graças especiais de inocência.

A leitura dos comentários de Dr. Plinio sobre o tempo do Natal nos ajudam a impostar nossas almas para nos preparar para esses abençoados dias. Ele traça em grandes pinceladas o ambiente natalino de sua infância, que tanto marcou sua alma a ponto de, décadas mais tarde, continuar a constituir para ele o objeto de profundas saudades. Quem de nós também não ficou marcado por graças semelhantes? Quem, pondo de lado por uns instantes os ruídos estridentes da modernidade – a televisão, o DVD, o celular, o “tablet”, o carro e quanta coisa mais – e deixando seu espírito se povoar por reminiscências dos natais de criança, também não sentirá saudades?

São saudades da inocência, daquele tempo em que Jesus podia fazer seu presépio em nosso coração. Que as graças deste Santo Natal nos ajudem a todos a sermos melhores!

Envie seu comentário

Você pode estar interessado