As coisas terrenas passam, só a eternidade fica

A fisionomia de Santa Catarina de Bolonha é distendida. O mais expressivo deste semblante está nos lábios cerrados, longos e finos, com um leve sorriso, ao mesmo tempo de afabilidade e de  acolhida, como quem, com muita suavidade, mas com uma enorme transcendência, sorri de desdém de todas as coisas da vida, e diz: “Olhe, tudo isso não é nada, tudo acaba, não tem importância; a figura das coisas terrenas passa, só a eternidade fica. Eu passei por tudo, sofri todas as dores, tive todas as provações, e terminados esses sofrimentos sorrio para eles. Porque aquilo que foram  mares encapelados, precipícios temíveis, montanhas intransponíveis, fica para trás. De longe, eu sorrio para tudo isso e percebo que só a eternidade é séria”.

Plinio Corrêa de Oliveira (Extraído de conferência de 19/5/1971)