Solenidade de São Pedro e São Paulo, Apóstolos

Simão, pescador, filho de Jonas e irmão de André. Jesus mudou-lhe o nome para Pedro que significa pedra, pois ele seria a rocha forte sobre a qual Jesus edificaria a sua Igreja. Por isso comprovadamente ele foi o primeiro Papa da Igreja Católica Apostólica Romana.

Foi o primeiro entre os discípulos a confessar que Jesus era Cristo, Filho de Deus vivo.

Uma parte importante da sua vida está documentada nos Evangelhos e nos Atos do Apóstolos; sobre a sua vida em Roma existem muitas e belas narrativas passadas de geração em geração, algumas delas contadas em diferentes romances inspirados nos primeiros tempos da Igreja.

Morreu crucificado como Jesus, mas de cabeça para baixo, pois não se achava digno de morrer de maneira igual ao mestre.

Paulo, o Apóstolo dos gentios, pregou Cristo crucificado aos Judeus e aos Pagãos.

Foi o primeiro a elaborar uma teologia cristã. Ao lado dos Evangelhos, as suas epístolas são as fontes de todo o pensamento e de toda a vida mística cristã. Isto coloca-o num lugar de destaque entre os maiores pensadores da história do cristianismo.

São Paulo era um homem de fortes paixões e de grande poder de liderança e de organização.

Nunca houve conversão mais ruidosa do que a sua, tão pouco houve mais sincera, pois o mais furioso perseguidor de Jesus Cristo passou, de repente, a ser um dos seus mais fervorosos apóstolos.

Ambos, na fé e no amor de Jesus Cristo, anunciaram o Evangelho na cidade de Roma e morreram mártires no tempo do imperador Nero:

– Pedro, segundo a tradição, foi crucificado de cabeça para baixo e sepultado no Vaticano, junto à Via Triunfal;

– Paulo morreu ao fio da espada e foi sepultado junto à Via Ostiense.

O triunfo dos dois Apóstolos é celebrado neste dia com igual honra e veneração em todo o orbe da terra.

São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

Oração – Protegei, Senhor, o vosso povo, que confia na proteção dos vossos Apóstolos Pedro e Paulo, e conservai-o com a vossa contínua defesa. Amém.

 

Com Santa Ema, condessa de Gurk que viveu viúva quarenta anos e deu generosamente muitos dos seus bens aos pobres e à Igreja.