São Vicente, Diácono, Mártir

III Domingo do Tempo Comum

1ª Leitura – Is 8,23b-9,3
Salmo – Sl 26,1.4.13-14 (R.1a.1c)
2ª Leitura – 1Cor 1,10-13.17
Evangelho – Mt 4,12-23

 

Foi um mártir do início do século IV  em Valência (Espanha).

É o santo padroeiro de Lisboa, em cuja Sé se encontram algumas das suas relíquias.

Durante o Império de Diocleciano, o delegado imperial Daciano moveu na Ibéria uma perseguição aos cristãos. Recusou oferecer sacrifícios aos deuses e foi cruelmente martirizado até à morte, que terá ocorrido em 304.

Em Portugal é representado de modos diversos: com palma e evangeliário ou, mais habitualmente, com uma barca e um corvo, porque, de acordo com a tradição, quando, em 1173, o rei Afonso Henriques ordenou que as relíquias do santo fossem trazidas do Cabo de S. Vicente (o então «Promontorium Sacrum»), junto a Sagres, para a cidade de Lisboa, duas daquelas aves velaram o corpo do santo que seguia a bordo da barca – facto a que ainda hoje aludem as armas de Lisboa e de muitas outras povoações portuguesas.

Em França, São Vicente é padroeiro dos vinhateiros e profissões afins, e tem como insígnias um cacho de uvas, para além da palma do martírio.

Amado e citado por muitos santos, como Santo Agostinho, Santo Ambrósio,

São Vicente, rogai por nós!

Oração – Deus eterno e omnipotente, infundi em nós o vosso Espírito, para que os nossos corações sejam fortalecidos por aquele amor que ajudou São Vicente a suportar o martírio.

Vicente: Significa “o que está vencendo”, “o que vence”, “aquele que conquista”

Com São Vicente Pallotti, Presbítero, fundador da Sociedade do Apostolado Católico

 

Martirológio Romano – Secretariado Nacional de Liturgia PT

Jan 22

2. Comemoração de São Valério, bispo de Saragoça, na Hispânia Tarraconense, que participou no Primeiro Concílio de Elvira e, conduzido para Valência juntamente com São Vicente, foi enviado para o exílio.(† 305 / 315)

3. Em Novara, na Ligúria, hoje no Piemonte, região da Itália, São Gaudêncio, considerado o primeiro bispo desta sede episcopal.(† c. 418)

4. Em Sergiópolis, na Pérsia, atualmente no Iraque, a paixão de Santo Anastásio, monge e mártir, que, depois dos numerosos tormentos que tinha padecido em Cesareia da Palestina, foi torturado com muitos suplícios por Cósroas, rei dos Persas e, finalmente, depois de presenciar a morte de setenta companheiros, foi estrangulado junto ao rio Eufrates e decapitado.(† 628)

5. No mosteiro de Romans, junto ao rio Isère, nos Alpes, atualmente na França, o sepultamento de São Bernardo, bispo de Vienne, que, tendo passado da milícia de Carlos Magno para a milícia de Cristo, distribuiu pelos pobres a fortuna herdada do seu pai e construiu dois cenóbios, o de Ambournay e o de Romans, onde terminou a sua vida.(† 842)

6*. Em Sora, no Lácio, região da Itália, São Domingos, abade, que fundou mosteiros em várias regiões da Itália e reconduziu outros à observância regular com o seu espírito de reformador.(† 1031)

7. Em Pisa, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, a Beata Maria Mancíni, que, depois de enviuvar duas vezes e ter perdido todos os filhos, por conselho de Santa Catarina de Sena seguiu a vida comunitária no mosteiro de São Domingos, ao qual presidiu durante dez anos.(† 1431)

8. Em Como, na Lombardia, também na Itália, o Beato António della Chiesa, presbítero da Ordem dos Pregadores, que reformou a vida regular em alguns conventos, acompanhando a fragilidade humana com indulgência e corrigindo-a com firmeza.(† 1459)

9. Em Londres, na Inglaterra, o Beato Guilherme Patenson, presbítero e mártir, que, no reinado de Isabel I, foi condenado à morte por causa do seu sacerdócio; no cárcere ainda reconciliou com a Igreja seis dos seus companheiros de prisão; finalmente, decapitado na praça de Tyburn, consumou o glorioso martírio.(† 1592)

10. Em Tonquim, no atual Vietnam, os santos Francisco Gil de Frederich e Mateus Afonso de Leziniana, presbíteros da Ordem dos Pregadores e mártires, que no reinado de Trinh Doanh, depois de persistente pregação do Evangelho, continuada no cárcere, morreram gloriosamente por Cristo ao fio da espada.(† 1745)

11. Em Roma, São Vicente Pallótti, presbítero, fundador da Sociedade do Apostolado Católico, que com as suas obras e escritos incitou a vocação de todos os baptizados em Cristo para trabalhar generosamente pela Igreja.(† 1850)

12. Em Bordéus, na França, o Beato Guilherme José Chaminade, presbítero, que exerceu com audácia o seu zelo pastoral clandestinamente durante muito tempo e, procurando congregar os fiéis leigos para promover o culto da Virgem Santa Maria e as missões exteriores, fundou o Instituto das Filhas de Maria Imaculada e a Sociedade de Maria. († 1850)

13. Em Junin de los Andes, na Argentina, a Beata Laura Vicunha, virgem, natural da cidade de Santiago do Chile e aluna do Instituto de Maria Auxiliadora, que aos treze anos ofereceu a Deus a sua vida pela conversão da sua mãe. († 1904)

14. Em Castelletto del Garda, localidade do Véneto, região da Itália, o Beato José Nascimbéni, presbítero, fundador do Instituto das Pequenas Irmãs da Sagrada Família. († 1922)

15. Em Viena, na Áustria, o Beato Ladislau Batthyány-Strattmann, pai de família, que, dando testemunho do Evangelho, tanto na vida familiar como na sociedade civil, pela santidade da sua vida e das suas obras, honrou como cristão o nome e dignidade de médico e com grande caridade se dedicou à assistência dos enfermos, para os quais fundou hospitais, onde recebia, sem atitude alguma de vanglória, apenas pobres e indigentes.(† 1931)