São Vicente de Paulo, Presbítero, Fundador

Nascido em Pouy, Dax, França em 24 de Abril de 1581 de família humilde.
Em 1600 é nomeado capelão da Rainha Margarida de Valois; dois anos mais tarde, é pároco de Clichy e, no ano seguinte, perceptor na célebre família “De Gondi”.
Em 1617 decide consagrar a sua vida ao serviço dos Pobres.
Em 1625 funda a Congregação da Missão para evangelizar o povo do campo, mas também para a formação do Clero.
Em 1633, com Luisa Marillac, funda a Filhas da Caridade.
S. Vicente foi “um plasmador de consciências, um conquistador de almas, um anunciador e um profeta da Caridade de Cristo, um verdadeiro homem de Deus”.

Morreu em 27 de Setembro de 1660

Visitando disfarçado a prisão de Marselha ficou muito penalizado com um dos prisioneiros e  se ofereceu para sofrer-lhe a pena pelo resto da vida. Semelhante oferta foi aceita, e Vicente levou por algumas semanas as cadeias de ferro dos galeotes – até que se descobriu que se tratava do Capelão-Mor da França

Depois dos apóstolos, talvez não haja homem que mais tenha prestado serviços à Igreja católica e à humanidade inteira. Para contribuir à santificação do clero e do povo cristão, instituiu uma congregação de missionários, que foi digna do autor, e continua a propagar a fé em todo o mundo.

Estabeleceu retiros espirituais, criou seminários, instituiu a congregação das filhas da Caridade, fundou um hospital de crianças relegadas, hospitais para velhos, insanos, presos e mendigos.

 

São Vicente de Paulo, rogai por nós!

Oração – Ó glorioso São Vicente de Paulo, celeste padroeiro de todas as obras de caridade, durante vossa vida nunca rejeitastes aos que a vós recorriam, vede a imensidade de males que nos afligem. Alcançai de Deus socorro aos pobres, alívio aos doentes e aflitos, proteção aos abandonados, caridade aos ricos, conversão aos pecadores, paz à Igreja e salvação a todos os povos.

Vicente é originado a partir do nome em latim Vincentius, deriva de vincente, particípio passado do verbo vincere, que significa “vencer”

 

Com Santo Eleázar de Sabran, conde de Ariano, que, observando a virgindade e todas as virtudes com sua esposa, a Beata Delfina, morreu na flor da idade. Vivia a vida normal de um nobre da corte, o que na época implicava entre outras coisas, vestir roupas magníficas.

 

2. Em Milão, na Gália Transpadana, Lombardia, região da Itália, São Caio, bispo, († s. III)

3. Na fortaleza de Bremur, no território dos Éduos, na Gália, atualmente na França, São Florentino, decapitado pelos Vândalos juntamente com Santo Hilário, († s. V)

4. No cenóbio de Liessies, no Hainaut da Austrásia, também na atual França, Santa Hiltrudes, virgem, que viveu piedosamente retirada com seu irmão Guntardo, abade, († d. 800)

5. Em Córdova, na Andaluzia, região da Espanha, os santos mártires Adolfo e João, irmãos, que, durante a perseguição dos Mouros, († c. 825)

6. Em Fara, Cíngoli, no Piceno, hoje nas Marcas, região da Itália, São Bonfílio, bispo, († c. 1115)

7. Em Paris, na França, Santo Eleázaro ou Eleázar de Sabran, conde de Ariano, observando a virgindade e todas as virtudes com sua esposa, a Beata Delfina, morreu na flor da idade, († 1323)

8. Em Pistóia, na Etrúria, hoje na Toscana, região da Itália, o Beato Lourenço de Ripafratta, presbítero, († 1456)

9. Num sórdido barco-prisão ao largo de Rochefort, no litoral da França, o Beato João Baptista Laborier du Vivier, diácono e mártir, († 1794)

10. Em Sagunto, na Espanha, os beatos mártires José Fenollosa Alcayna, presbítero, e Fidel de Puzol (Mariano Climente Sanchis), religioso, († 1936)

11. Em Gilet, povoação da província de Valência, também na Espanha, as beatas mártires Francisca Xavier de Rafelbunol (Maria Fenollosa Alcayna) religiosas e Hermínia Martínez Amigó, mãe de família, († 1936)

12. Em Lloret del Mar, perto de Gerona, também na Espanha, as beatas Madalena Fradera Ferragutcasas, Maria do Carmo Fradera Ferragutcasas e Maria Rosa Fradera Ferragutcasas, virgens e mártires, († 1936)