São Saturnino de Tolouse, Bispo

Segundo se sabe, sob o imperador Cláudio, o Apóstolo Pedro enviou às Gálias, para pregar a Fé da Trindade aos gentios, alguns discípulos, aos quais designou cidades particulares: foram eles Trófimo, Paulo, Marcial Austemônio, Gatiano, Saturnino e Valério, e muitos outros que o bem-aventurado Apóstolo lhes dera por companheiros.

São Rabano Mauro, bispo de Maiença, na Vida de Maria Madalena, fala igualmente de Trófimo de Arles, de Paulo de Narboma, de Marcial de Limoges, de Saturnino de Tolosa, de Valério de Tréveris, como enviados no tempo mesmo dos apóstolos.

Outros documentos apontam Saturnino como primeiro Bispo de Toulouse nos anos 250, sob o consulado de Décio.

São Saturnino reuniu, o que lhe coube, numa igrejinha. Da igrejinha à casa em que residia, forçosamente havia que passar pelo edifício em que se sacrificava aos ídolos. Ora, os pagãos observavam que, quando passava o Santo bem defronte a casa dos oráculos, os demônios emudeciam e não se manifestavam.

Um dia, interceptaram-no e disseram-lhe:  Acompanhai-nos até o templo. Estavam ameaçadores, de modo que o Santo achou conveniente atendê-los.

Uma vez no templo, tornaram a falar-lhe: Sacrifica aos deuses!

– Não posso! Respondeu-lhes o Santo.

– Deves reparar tua impiedade! Sacrifica ou morre!

– Eu, adoro um só Deus e estou pronto a, por Ele, sacrificar-me. Vossos deuses nada mais são que demônios. Desejam muito mais as vossas almas que o sacrifício das vítimas. Os demônios, diante do meu Deus, tremem e nada fazem.

Aquilo era demais. Atiraram-se sobre o santo com o furor que só o fanatismo pode inspirar. Amarraram-no sobre um touro que se destinava ao sacrifício. O animal, que passaram a irritar e espicaçar, destroçou o Santo em pouco tempo, mas a alma, luminosamente, deixou-lhe o corpo e subiu para o reino de paz e de glória.

Duas mulheres cristãs recolheram os restos mortais, levaram-nos a um caixão, enterrando-o profundamente, para livrar aquele corpo, ou o que dele ficaram dos insultos pagãos. Assim ficaram as relíquias de São Saturnino até o reinado de Constantino, o Grande.

Hilário, quando Bispo de Tolosa erigiu uma capela sobre o corpo do santo. Sílvio, Bispo da mesma cidade, lá pelo fim do séc. IV, deitou os fundamentos duma igreja magnífica em honra do mártir e Exupério, o sucessor, terminou-a, consagrou-a para ali transferiu as relíquias  do santo apóstolo de Tolosa. Tal piedoso tesouro continua ainda guardado com veneração.

São Saturnino de Tolouse, rogai por nós!

Oração –  Oh meu Deus, que no exemplo dos mártires santifica a Igreja e a torna testemunha fiel da paixão, morte e ressurreição de Jesus,  fazei de nós verdadeiros apóstolos. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

 

 

Com São Saturnino de Cartago, mártir, que, segundo refere o papa São Dâmaso, no tempo do imperador Décio, pela confissão da sua fé em Cristo, foi submetido ao suplício do cavalete e desterrado para Roma, onde, depois de superar atrozes tormentos, converteu à fé o algoz Graciano; finalmente decapitado, alcançou a coroa do martírio.