São João Bosco, Presbítero, Fundador.

Filho de Francisco Bosco e de Margarida Occhiena, simples aldeões de Murialdo, lugar situado na província de Turim, onde o anjo da família salesiana nasceu a 15 de agosto de 1815. Senhor de ótima memória e de grande espírito de observação, ajudado pelo cura da paróquia Padre Calosso, que lhe administrou algumas lições de gramática, foi João crescendo em ciência a pouco e pouco.

Foi o fundador dos padres salesianos e das irmãs salesianas, muito aceitos pelos seus trabalhos junto dos jovens de todo o mundo.

A oração da missa revela o conteúdo da vida deste santo: “Deus suscitou Dom Bosco para dar à juventude um mestre e um pai”.

Pouca gente se lembra  ele viveu no século XIX, na Itália, numa época religiosamente confusa, marcada pela luta entre conservadores e liberais. Marcada também pelo afastamento dos operários, que da Igreja passaram para o socialismo. E marcada ainda pelo afastamento dos intelectuais, que debandaram para o Modernismo.

Com a fundação de Oratórios Festivos, Dom Bosco, reuniu os filhos desses operários abandonados, e levou as salesianas, também chamadas de “Filhas de Maria Auxiliadora”, a cuidar das meninas deixadas ao abandono.

Foi escritor e que marcou, como tal, o seu tempo e o nosso. De sua iniciativa surgiram as Leituras Católicas, em fascículos mensais, e uma Biblioteca da Juventude. A máxima do Santo, é bem conhecida: “Mais vale prevenir do que remediar”.

Morreu aos 73 anos, em 1888. Turim, propiciou-lhe funerais magníficos. E a multidão, sem cessar, repetia, contrita e convencidamente:

– Dom Bosco é santo! Dom Bosco é santo! Com efeito o povo a ele atribuía um sem número de milagres.

São João Bosco, Rogai por nós!

Oração – Oh, Dom Bosco Santo, quando estavas nesta terra, não havia ninguém que, acudindo a Vós, não fosse, por Vós mesmo, benignamente recebido, consolado e ajudado. Agora, no céu, onde a caridade atinge a perfeição, deve arder vosso grande coração em amor até os necessitados!

Com Santa Marcela, viúva, que, como escreve São Jerônimo, desprezando a fortuna e a nobreza, se tornou mais nobre pela pobreza e humildade.