São Domingos de Gusmão, Presbítero, Fundador

Nasceu em Castela-a-Velha, no ano de 1170.

De família nobre, e de belo rosto, acostumou-se desde jovem a duras penitências.

Aos 14 anos de idade, foi enviado para Palência, onde estudou filosofia e teologia. Como sacerdote e cônego de Osma distinguiu-se pela retidão, zelo, pontualidade nas funções e espírito de sacrifício falando sempre com Deus ou de Deus.

De caráter metódico e firme, deu grande importância aos estudos, como premissa indispensável ao dever apologético dos frades pregadores.

Pregou com êxito contra os hereges albigenses, que defendiam a existência de dois princípios, de duas divindades: o Bem e o Mal.

Recebeu de Nossa Senhora a missão de pregar o Rosário, explicando-lhe:

“Como a saudação angélica foi o princípio da redenção do mundo, é necessário também que essa saudação seja o princípio da conversão dos hereges; que assim, pregando o Rosário que contém cento e cinquenta Ave Marias, você verá um sucesso maravilhoso em seus trabalhos e os mais empedernidos sectários se converterão aos milhares”.

Estudo, pobreza, oração e ministério da palavra são os pontos principais da Ordem dominicana, os frades ’mendicantes’, que vestem o hábito de São Domingos, contemporâneo de outro grande e amado santo fundador, São Francisco de Assis.

São Domingos morreu em Bolonha no dia seis de Agosto do ano 1221 e foi proclamado santo, 13 anos após a morte, em 1234.

São Domingos de Gusmão, rogai por nós!

 

 

Com  Beato João Felton, s.j., mártir, afixou publicamente a bula de excomunhão proclamada pelo Papa São Pio V contra a rainha Isabel e foi cruelmente esquartejado