São Clemente I, Papa, Mártir

Terceiro sucessor do Apóstolo São Pedro, que presidiu à Igreja Romana. Neste dia comemora-se o sepultamento do seu corpo em Roma.

É Santo Irineu quem nos conta que, dos sucessores imediatos de Pedro na Cátedra de Roma, o terceiro se chamava Clemente e que “vira os apóstolos e conversara com eles, ouvira a voz da pregação deles e tivera a tradição deles diante dos olhos”.

Além dessa notícia, ele também nos relata que o autor da importante carta escrita pela Igreja de Roma à Igreja de Corinto é o Papa Clemente.  Foi dito que a sua carta aos coríntios é a “epifania do primado romano”, enquanto este primeiro documento papal (protótipo de todas as cartas encíclicas que seriam escritas no decurso dos séculos) afirma a autoridade do sucessor de Pedro, Bispo de Roma, sobre outras Igrejas de origem Apostólica.

A carta, escrita entre os anos de 93 e 97, depois da morte de Nero, e antes da destruição de Jerusalém e do Templo, enquanto estava ainda com vida o Apóstolo São João, é dirigida à Igreja de Corinto, dividida por cisma interno, porque o grupo de fiéis contestava a autoridade dos presbíteros.

Lê-se nela, por exemplo: “Os grandes não podem subsistir sem os pequenos, os humildes, nem os pequeninos sem os grandes. É recíproca harmonia que resulta a utilidade comum. Devemos observar pontualmente o que nos foi prescrito por Deus”.

Restabeleceu o uso do Crisma, seguindo a tradição de são Pedro, e instituiu o uso da expressão “amém” nos ritos religiosos.

Com sua atuação séria e exemplar, converteu até Domitila, irmã do imperador Domiciano, seu parente, fato que ajudou muito para amenizar a sangrenta perseguição aos cristãos. Graças a Domitila, muitos deixaram de sofrer ou, pelo menos, tiveram nela uma fonte de conforto e solidariedade.

Clemente I expandiu muito o cristianismo, assustando e preocupando o então imperador Nerva, que o exilou na Criméia. Nas terras do exílio, Clemente I encontrou milhares de cristãos condenados aos trabalhos forçados nas minas de pedra. Passou a encorajá-los a perseverarem na fé e converteu muitos outros pagãos.

A notícia chegou ao novo imperador Trajano, que, irritado, primeiro ordenou que ele prestasse sacrifício aos deuses. Depois, como recebeu a recusa, mandou jogá-lo no mar Negro com uma âncora amarrada no pescoço.

Tudo aconteceu no dia 23 de novembro do ano 101, como consta do Martirológio Romano.

São Clemente, rogai por nós!

Oração – Mestre, nós te pedimos: torna-te nosso socorro e nosso protetor; salva os  oprimidos entre nós; levanta os caídos; mostra-te aos que oram; cura os fracos; leva ao bom caminho aqueles do teu povo que erram; sacia os que têm fome; liberta nossos presos; consola os fracos; conheçam-Te todos os povos, porque Tu és o Deus único, e Jesus Cristo é Teu Filho, e nós o Teu povo e ovelhas do Teu rebanho”. Amém!

 

 

 

Com beata Margarida de Saboia neta materna do rei Filipe II de Espanha, e prima direita de Filipe IV de Espanha (III de Portugal). Exerceu as funções de vice-rainha de Portugal, estando encarregada do reino quando da Restauração da Independência, sendo assim a última governante de Portugal em nome da dinastia filipina