São Carlos Lwanga e companheiros, Mártires

São ugandenses. Sofreram o martírio durante o reinado de Muanga, de cuja corte faziam parte. Isto aconteceu por volta do ano 1885. Carlos Lwanga, chefe dos pajens, foi o primeiro a ser assassinado.

Foi queimado lentamente a começar pelos pés. Kalemba Murumba foi abandonado numa colina com as mãos e os pés amputados, morrendo de hemorragia. André Kagua foi decapitado e o último, João Maria, foi lançado em um pântano.

Foram canonizados no dia 18 de Outubro de 1964, pelo papa Paulo VI.

Deles disse Paulo VI: Quem são? Africanos, autênticos. Africanos pela cor, pela raça e pela cultura, representantes qualificativos das populações bantos e milóticas … Seria história demasiado longa para ouvir-se: as torturas corporais, as decisões arbitrárias e despóticas dos chefes são, nela, coisa gratuita e dão testemunho de tanta crueldade, que a nossa sensibilidade ficou profundamente perturbada.

Esta narração quase parecia inverosímil: não é fácil imaginarmos as condições desumanas – tanto elas nos parecem incompreensíveis e intoleráveis – no meio das quais subsiste, e se mantém, quase até nossos dias, a vida de muitas comunidades tribais da África.

Esta história precisaria ser meditada com vagar .

São Carlos Lwanga e companheiros, rogai por nós!

Oração – Ó Deus, que fizestes do sangue dos mártires semente de novos cristãos, concedei que o campo da vossa Igreja, regado pelo sangue de são Carlos e seus companheiros, produza sempre abundante colheita. Amém.

 

Com Santa Clotilde, rainha, cujas orações induziram o seu esposo Clodoveu, rei dos Francos, a abraçar a fé de Cristo.