São Carlos Borromeu, Arcebispo de Milão e Cardeal

Filho do Conde Gilberto Borromeu e de Margarete de Médici, irmã do Papa Pio IV, recebeu ótima formação humana e cristã, estudou na Universidade de Pavia e destacou-se pela facilidade de administrar e tratar as pessoas.

Chamado a Roma pelo Papa, seu tio, antes de receber os Sacramentos da Ordem, aceitou a nomeação e responsabilidades de Cardeal e Arcebispo de Milão.

Com vinte e dois anos já possuía títulos prestigiosos: Cardeal, Secretário de Estado da Santa Sé, Administrador do Arcebispado de Milão, protetor de Portugal e da Baixa Alemanha, legado papal em Bolonha, protetor dos Carmelitas, dos Cônegos de Coimbra, dos Franciscanos, da Ordem de Cristo, Grande Penitenciário da Igreja.

Foi nesta Sede um verdadeiro pastor fiel, solícito pelas necessidades da Igreja do seu tempo: convocou sínodos e erigiu seminários para a formação do clero.

Visitou muitas vezes toda a sua Diocese para fortalecer a vida cristã e estabeleceu muitas normas em ordem à salvação das almas.

O Santo arcebispo fora administrar os últimos sacramentos a um Bispo da Província. Quando regressou, toda a agente se lhe reuniu ao redor, a gritar, consternada, e a chorar:  Misericórdia, Senhor, misericórdia! A peste aqui ficará por seis meses!

Secundado por padres e religiosos, proveu as necessidades corporais e espirituais dos doentes, visitando-os e administrando-lhes, ele mesmo, os sacramentos. Para alimentá-los ou vesti-los, vendia tudo aquilo que tinha, até a cama, resignando-se a dormir sobre tábuas. E jejuando e orando, sofrendo pela saúde de todos, procurou afastar a ira de Deus. Orava e jejuava, sem cessar.

Juntamente com São Caetano de Thiene, São Felipe Neri, São Tomás de Vilanova e Santo Inácio de Loyola, encarnava a legítima expressão da restauração católica no século XVI,  conhecida como Contra-Reforma.

Passou à pátria celeste no dia 3 de Novembro.

São Carlos Borromeu, rogai por nós!

Oração – Conservai, ó Deus, no vosso povo o espírito que animava São Carlos Borromeu, para que a vossa Igreja, sempre fiel ao Evangelho, possa mostrar ao mundo a face de Cristo. Dai-nos sua intercessão, para que sejamos fiéis no vosso serviço e fervorosos na caridade. Amém!

 

Com Santo Américo, filho de Santo Estêvão, Rei dos Húngaros.

 

 

Santos Vital e Agrícola, mártires, dos quais, segundo narra Santo Ambrósio, o primeiro tinha sido servo do segundo. Vital sofreu tantos tormentos que nenhuma parte do corpo ficou sem feridas; Agrícola, sem se intimidar com o suplício do servo, imitou-o no martírio sendo crucificado.