São Bernardo de Claraval, Abade e Doutor da Igreja

Seu pai ficou consternado com o êxodo familiar provocado por Bernardo ao entrar no mosteiro de Cister, fundado por São Roberto!

Um após outro, os filhos abandonaram o conforto do castelo para segui-lo: Guido, o primogênito, deixou até a esposa, que também se fez monja; Nissardo, o mais novo, também optou por abandonar os prazeres do mundo, seguido pela única irmã, Umbelina e pelo tio Gaudry, que despiu a pesada armadura para vestir o hábito branco; também Tescelino entrou no mosteiro onde estava praticamente toda a família. Um êxodo tão completo como este nunca se verificou em toda história da Igreja.

Por terem muitos outros jovens desejado tornar-se cistercienses, foi necessário fundar outros mosteiros. São Bernardo, então, deixou Citeaux, abraçando uma pesada cruz de madeira e seguido de doze religiosos que cantavam hinos e louvores ao Senhor  fundou o mosteiro de Claraval, que dirigiu sabiamente pelo caminho dos mandamentos de Deus, com a vida, doutrina e exemplo.

Por 38 anos foi guia de uma multidão de monges; cerca de 900 religiosos fizeram votos em sua presença. Para abrigar todos os monges foram construídos mais de 343 mosteiros

Percorreu as estradas da Europa combatendo as heresias e defendendo o Papa e a Igreja para restabelecer a paz e a unidade. Pregou a II Cruzada e deu subsídios para constituição da Regra dos Templários.

Ilustrou a toda a Igreja com os seus escritos e as suas ardentes exortações. Após laboriosas jornadas retirava-se para a cela para escrever obras cheias cheias de doçura, como o Tratado do Amor de Deus e o Comentário ao Cântico dos Cânticos que é uma declaração de amor a Maria. É também o compositor do belíssimo hino Ave Maris Stella.

Também é sua a invocação: ” Ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria” da salve-rainha.

Foi chamado pelo Papa Pio XII “O último dos Padres da Igreja, e não o menor”.

Até que, no território de Langres, na França, adormeceu no Senhor.

São Bernardo de Claraval, rogai por nós!

 

 

Com São Samuel, profeta, chamado por Deus quando ainda era criança, foi juiz em Israel e, por mandato divino, ungiu Saul como rei do seu povo; quando Deus repudiou Saul por causa da sua infidelidade, conferiu a unção real a David, de cuja descendência havia de nascer Cristo