Santo Edmundo, Rei, Mártir

Subiu ao trono da Inglaterra no Natal de 854. Segundo consta, era talentoso e foi bem-sucedido, tanto como governante como homem virtuoso. Aprendeu de cor todo o saltério, a fim de poder acompanhar o culto na Igreja e imitar as boas ações do Rei Davi.

Conforme escreveram, no século XV, ele, “em seu reino, era muito religioso e bondoso, cheio de alegria celestial, previdente no aconselhar, e mostrava muitos sinais de graça e de bem-aventurança”.

O seu reinado foi conturbado pelas invasões bárbaras, com grande poder de destruição. Para não tornar-se vassalo de Ivar, chefe bárbaro, decidiu lutar em favor da liberdade de seu povo, mas caiu prisioneiro.

Os invasores ofereceram-lhe a possibilidade de manter sua vida e a coroa caso renegasse a fé e se proclamasse vassalo. O rei rejeitou a proposta por duas vezes. Amarrado a uma árvore, teve o corpo cravejado de flechas e, depois de decapitado, foi atirado para uma floresta.

Contam que procurando a cabeça do rei, os cristãos, para não se dispersarem, gritavam uns para os outros: “Onde estás? Onde estás?” No meio da busca, o rei teria respondido: “Aqui. Aqui. Aqui.” Acorrendo ao lugar, encontraram a cabeça do rei guardada por um lobo que a defendia dos outros animais.

Santo Edmundo morreu em 870

O desaparecimento do rei Edmundo levou ao fim o reino da Est-Anglia. Mas a Inglaterra se fortaleceu sob seu nome, e o jovem Rei morto tornou-se uma bandeira.

A devoção a Santo Edmundo, o Mártir, a princípio, era muito difundida e muito popular na Inglaterra com inúmeras igrejas dedicadas em sua honra No século XIII e em período mais recente, sua festa era dia santo de guarda. Atualmente, celebra-se a sua festa nas dioceses de Westminster e  de Northampton, bem como entre os beneditinos ingleses.

 

Santo Edmundo, rogai por nós!

Oração – Pai de  justiça e bondade, que chamaste São Edmundo para testemunhar a fé no vosso nome e dispuseste toda a vida dele em função da evangelização, daí-nos seguir seus exemplos e nos converter sempre mais ao vosso amor. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

 

 

Com Beata Maria Fortunata (Ana Félix Víti), da Ordem de São Bento, que exerceu o serviço de roupeira quase toda a sua vida, procurando sempre cumprir de todo o coração os preceitos da Regra.