Santo André Dung-Lac e Companheiros, Mártires

Era de família pobre, reconheceu a riqueza do Dom Sacerdotal e foi ordenado Padre em 1823; no meio das perseguições desejava ardentemente testemunhar Jesus Cristo com o martírio, pois dizia que “aqueles que morrem pela fé sobem ao céu”.

Numa celebração comum se veneram os cento e dezessete missionários que sofreram o martírio no Tonquim, Anam e Cochinchina, regiões da Ásia, do atual Vietnam – oito bispos, muitos presbíteros e um ingente número de fiéis de ambos os sexos e de todas as condições e idades –, que aceitaram o desterro, os cárceres, os tormentos e enfim os mais cruéis suplícios, por recusarem calcar a cruz e abjurar da fé cristã. Desses, 96 eram de origem vietnamita e os demais missionários provenientes da Espanha e da França.

Desde 1624, quando os primeiros jesuítas fundaram ali as bases do cristianismo, os cristãos sofreram contínuas e sangrentas perseguições. Eram acusados de destruir, com sua pregação, os valores culturais e religiosos do país. Durante a perseguição de 1843, um deles, Paulo Le Bao-Tinh escrevia da prisão:

“O meu cárcere é verdadeiramente uma imagem do fogo eterno. Aos cruéis suplícios de todo gênero, como grilhões, algemas e ferros, juntam-se ódio, vingança, calúnias, palavrões, acusações, maldades, falsos testemunhos, maldições e, finalmente, angústia e tristeza. Mas Deus, tal como outrora libertou-me dessas tribulações, que se tornaram suaves, porque a sua misericórdia é eterna!”

Santos mártires vietnamitas, rogai por nós!

Oração – Deus de misericórdia, que na sua bondade escolhestes Santo André e tantos outros homens e mulheres vietnamitas para propagar Vosso Evangelho em terras hostis, daí-nos a disposição necessária para realizar o mesmo apostolado em nosso meio. Por Cristo nosso Senhor. Amém.

 

 

Com  Santa Firmina, mártir. Vinte dias após a morte de Firmina, o seu carrasco, Ursicinus, se converteu, foi batizado e martirizado no dia 13 de dezembro.