Santa Pelágia da Antioquia, Virgem, Mártir

Era uma jovem de quinze anos, que, na Antioquia, no princípio da perseguição do imperador Diocleciano, em 302, acusada de cristã, viu, um dia, os soldados do perseguidor invadirem a casa, dando-lhe voz de prisão.

Pelágia os recebeu bem e, quando se propuseram levá-la, pediu  permissão para que fosse trocar de roupa.

Dado o consentimento, pelo chefe da escolta, Pelágia dirigiu-se ao quarto: desejosa de escapar dos ultrajes que a esperavam, infalíveis, e a temer pela virgindade, que votara a Deus, não titubeou – ganhou o mais alto da casa em que vivia, em Antioquia e de lá se atirou ao chão, falecendo quase que instantaneamente.

Pergunta-se: cometeu o suicídio? Sem  sombra de dúvida. Todavia, foram honradas com um culto público, porque aquele tirar-se a vida foi considerado como um ato de obediência a Deus. Muitas santas virgens assim agiram.

A finalidade do ato não é tirar a vida, mas evitar poluir o corpo e a alma pelo pecado; ou seja, Pelágia não se atirou para morrer, mas para fugir e a morte foi uma consequência.

“Salvou com a morte a sua castidade”.

 

Santa Pelágia, rogai por nós!

Oração – Deus, nosso Pai, sede a nossa luz e a nossa direção neste dia. Velai pela nossa saúde e pela retidão de nosso coração. Ajudai-nos, pela intercessão de Santa Pelágia, a sermos o que devemos ser e assim encontrarmos a alegria e a paz interior. Ajudai-nos a viver santamente cada momento da nossa vida, sabendo que tudo caminha rumo ao Céu. Por Cristo nosso Senhor. Amem!

Pelágia é um nome predominantemente feminino, de origem Grega que significa “Aquela que vem do mar”.

 

 

Com Santa Taís foi uma prostituta egípcia que se converteu e passou o resto de seus dias repetindo a seguinte oração: “Vós que me criastes, tende compaixão de mim”.

 

1. Em Antioquia, na Síria, hoje Antakya, na Turquia, Santa Pelágia, virgem e mártir, que São João Crisóstomo exalta com grandes louvores, († c. 302)

2. Comemoração de Santa Reparata, que é venerada em muitos lugares como virgem e mártir, († c. s. IV)

3. Em Como, na Ligúria, hoje na Lombardia, região da Itália, São Félix, bispo, que, ordenado por Santo Ambrósio de Milão, foi o primeiro bispo desta cidade, († s. IV f.)

4. Em Ruão, na Gália Lionense, atualmente na França, Santo Evódio, bispo, († s. V)

5. Em Denain, no Hainaut, também na atual França, Santa Ragenfreda, abadessa, que com os seus bens fundou neste lugar um mosteiro, do qual foi digna abadessa, († s. VIII)

6. Em Gênova, Ligúria, Itália, Santo Hugo, religioso, que, depois de ter prestado o serviço militar durante longo tempo na Terra Santa, foi designado para reger a Comenda da Ordem de São João de Jerusalém nesta cidade e se distinguiu pela sua bondade e caridade para com os pobres, († a. 1233)

7. Em Londres, na Inglaterra, os beatos João Adams, Roberto Dibdale e João Lowe, presbíteros e mártires, que, no reinado de Isabel I, por terem exercido o ministério sacerdotal para o povo católico, foram condenados à morte e, depois de sofrerem atrozes tormentos em Tyburn, alcançaram o reino celeste, († 1586)

8. No cemitério de Montcada, na Catalunha, região da Espanha, os beatos Laurentino (Mariano Alonso Fuentes), religioso da Congregação dos Irmãos Maristas e 43 companheiros, mártires, que, durante a perseguição contra a fé, pelo seu inquebrantável testemunho de Cristo alcançaram vitoriosamente o reino celeste, († 1936)