Santa Margarida Maria Alacoque, virgem.

Toda a vida desta grande vidente do séc. XVII anda estreitamente unida às origens e história da grande devoção ao Sagrado Coração de Jesus. Foi o meio humilde e diminuto que Deus utilizou para dar a conhecer uma das melhores e mais eficazes de todas as devoções.

Desde menina com quatro anos – ela conta no seu diário espiritual – Deus a introduziu no segredo da vida interior e comunicação com o céu. No noviciado tinha por norma o conselho de São Francisco de Sales: “não ser extraordinário senão à força de ser comum”.

Completava o ano de noviciado a 25 de Agosto de 1672 e atrasaram-lhe a profissão até 6 de Novembro. Nesse período, Cristo se comunica com ela e começa a levantar o véu que encobre a missão para a qual a destina.

Numa sexta-feira do ano de 1674, estando diante do Santíssimo Sacramento exposto, Jesus se mostra radiante de glória com as cinco chagas que brilham como sóis. Queixou-se da ingratidão dos homens e pediu que ela,  com o seu amor, suprisse tanta frieza. Deverá comungar sempre que lho permita a obediência, fazer a novena das nove primeiras sextas-feiras seguidas.

Posteriormente o Sagrado Coração de Jesus volta a se queixar da ingratidão dos homens e pede que, na sexta-feira seguinte à oitava do Corpo de Deus, se estabeleça a festa do Seu Coração.

Como auxiliar do seu apostolado recomenda-lhe o Padre Cláudio la Colombière, s.j., também santo.

Faleceu no dia 17 de Outubro de 1690. Foi canonizada em 1920 por Bento XV e a Devoção ao Sagrado Coração de Jesus triunfou através da pequenez da Sua serva.

Santa Margarida Maria Alacoque, rogai por nós!

Oração – Ó Santa Margarida Maria, a quem o Sagrado Coração de Jesus, fez participante de seus tesouros divinos, nós vos suplicamos que nos alcanceis deste Coração adorável as graças de que temos necessidade.

 

 

 

Com Santa Edwiges, primeira duquesa da Silésia e da Polônia, religiosa em um mosteiro cisterciense, padroeira dos endividados.