Santa Clara de Assis, Virgem, Fundadora

De família nobre, dotada de extraordinária beleza e possuidora de muitas riquezas, nasceu em Assis, em 1193. Conterrânea de São Francisco, Clara foi sua discípula e fiel intérprete de seu ideal ascético.

Aos 18 anos, fugiu de casa para se consagrar a Deus, mediante uma vida de absoluta pobreza, a exemplo de Francisco de Assis, juntamente com Inês, sua irmã mais jovem, e outras companheiras.

Clara se instalou no Oratório de São Damião, dando início às Clarissas. Procuravam em tudo viver o ideal franciscano da pobreza, a qual amou tanto que nunca mais quis separar-se dela, nem sequer na extrema indigência e na enfermidade.

Conta-se nos “fioretti” que um dia, Francisco mandou dizer a Clara que rezasse a Deus para que ele pudesse saber o que mais Lhe agradava: dedicar-se à pregação ou à oração. Depois de muita oração, o mensageiro levou a resposta a Francisco: “Tanto a frei Silvestre como a irmã Clara e sua irmã, Cristo respondeu e revelou que sua vontade é que vás pelo mundo a pregar, porque Ele não te escolheu para ti somente, mas também para a salvação dos outros!”.

Em 1198, ocorreu uma invasão moura à Assis e em meio a muita pobreza e necessidade aconteceu um fato que consagrou Santa Clara para sempre na história. Eles tentaram invadir o convento e Santa Clara, mesmo acamada e doente, fez questão de ir até o portão de entrada. Ali, em lágrimas, ela conseguiu pegar o ostensório com o Santíssimo Sacramento e proferir as seguintes palavras, “Senhor, guardai Vós estas vossas servas, porque eu não as posso guardar”. Ouviu-se então uma voz suave dizendo, “Eu te defenderei para sempre”. Imediatamente os mouros são tomadas por um medo descomunal e fogem, deixando o convento intacto e a salvo.

As mulheres queriam ser puras como Clara e os homens aprendiam a respeitar a pureza das mulheres.

Santa Clara é apresentada com a Custódia do Santíssimo Sacramento na mão a deter os mouros às portas de Assis.

Por lhe ter sido atribuído ver de longe o sepulcro de São Francisco, foi ela declarada padroeira da televisão.

Santa Clara de Assis, rogai por nós!

Oração – Santa Clara por teu amor à Paixão de Jesus, alcança-nos força e coragem na provação; por teu amor à Igreja, alcança-nos a fé, a esperança e a caridade. Amém.

Com São Tibúrcio e Santa Suzana, mártires em Roma

 

Comana, Ponto, Gumenek, Turquia, Santo Alexandre, chamado o Carvoeiro, bispo, († s. III)

Roma, no cemitério “Ad Duas Lauros”, junto à Via Labicana, São Tibúrcio, mártir, cujos louvores foram celebrados pelo Papa São Dâmaso, († s. III-IV)

Roma, a comemoração de Santa Susana, († data inc.)

Assis, na Úmbria, hoje na Toscana, região da Itália, São Rufino, bispo e mártir, († c. s. IV)

Benevento, na Campânia, também região da Itália, São Cassiano, bispo, († s. IV)

Évreux, na Gália, hoje na França, São Taurino, bispo, († c. s. V)

Irlanda, Santa Atracta, abadessa, recebeu das mãos de São Patrício o véu das virgens, († s. V)

Valéria, hoje na Úmbria, região da Itália, Santo Equício, abade, († a. 571)

Cambrai, na Austrásia, actualmente na França, São Gaugerico, bispo, († c. 625)

Arles, na Provença, também na actual França, Santa Rustícola, abadessa, († 632)

Gloucester, Inglaterra, os beatos João Sandys e Estêvão Rowsham, presbíteros, e Guilherme Lampley, alfaiate, mártires, († 1586, 1587, 1588)

Barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, o Beato João (Tiago Jorge Rhem), presbítero e mártir, Revolução Francesa, († 1794)

Milão, na Itália, o Beato Luís Birághi, presbítero, fundador, († 1879)

Agullent, povoação do território de Valência, na Espanha, o Beato Rafael Afonso Gutiérrez, mártir, pai de família, Com o beato mártir Carlos Díaz Gandia, († 1936)

Prat de Compte, Tarragona, Espanha, o Beato Miguel Domingos Cendra, religiosoa e mártir, († 1936)

Tibete, o Beato Maurício Tornay, presbítero e mártir, († 1949)