Santa Catarina da Alexandria, Virgem, Mártir

É sem dúvida uma das santas mais populares da História da Igreja, universalmente venerada. Tinha o porte majestoso e era de rara beleza.

De acordo com um relato muito antigo de sua vida, era uma jovem de grande beleza e tinha recebido de Deus o dom da sabedoria e de fortaleza de ânimo.

Conduzida diante do Imperador por ser cristã, censurou-o corajosamente por perseguir a Religião verdadeira, fez a apologia do Cristianismo e demonstrou a falsidade dos cultos idolátricos.

O Imperador, boquiaberto de espanto, perguntou-lhe: – Quem és tu? Donde vens? – A Santa respondeu:

– Minha origem é assaz conhecida em Alexandria. Chamo-me Catarina, e meus pais vem do ilustre do país. Emprego todo o meu tempo no conhecimento da verdade, e quanto mais estudo, mais me capacito da fragilidade dos ídolos que adorais. Sou cristã e tudo faço para ser esposa de Jesus Cristo. Meu único desejo é que O conheçais, e todo o vosso império convosco. Aquilo que professais nada mais é do que superstição.

Não conseguindo discutir com ela, o Imperador convocou os cinquenta filósofos mais cultos do Egito para que refutassem os argumentos da jovem, mas eles também não o conseguiram e, ao final do debate, declararam-se cristãos.

O Imperador, encolerizado, condenou à morte os cinquenta sábios e sua mestra, a qual teve o corpo dilacerado por rodas com lâminas cortantes.

Também a Imperatriz e Porfírio, chefe da primeira legião, com duzentos soldados, confessaram Jesus Cristo, confirmando a conversão pelo martírio.

Santa Catarina da Alexandria,  rogai por nós!

Oração –  Santa Catarina de Alexandria, que tivestes uma inteligência abençoada por Deus e através de um gesto de fé, conseguiste quebrar as engrenagens da máquina em que seria torturada, abre a minha inteligência, dá-me clareza e defendei a minha alma contra os perigos espirituais, que são tantos, em toda parte. Amém.

 

 

 

Com Beata Isabel Achlerer, apelidada de A Boa Virgem, que, vivendo como reclusa na Ordem Terceira Regular de São Francisco, praticou admiravelmente a humildade, a pobreza e a mortificação corporal.