Nossa Senhora das Mercês.

Em 621, os visigodos tornaram-se senhores de toda a Espanha.

Em 711, vieram os árabes que os repeliram para as montanhas das Astúrias e conquistaram quase toda a Península. Foram precisos seis séculos para os expulsar.

Durante este período foram levados para África grande número de cristãos. Os que abraçavam o islamismo eram tratados como homens livres; os outros eram vendidos como escravos.

Para os libertar era necessário pagar o resgate. Como nem todas as famílias tinham posses para libertar seus familiares, S. Pedro Nolasco fundou, em 1218, a Ordem das Mercês ou da Redenção dos Cativos.

A própria Virgem, numa aparição, incitou a isso. Pedro contou a sua visão a S. Raimundo de Penhaforte e ao rei Jaime I, de Aragão. Os três conseguiram pôr em prática o projeto.

Graças ao seu heroísmo e à generosidade dos cristãos, a obra foi fecunda em resultados e só terminou com o desaparecimento da pirataria.

Dizia o Breviário Romano que “foi com o fim de agradecer a Deus e à Santíssima Virgem os benefício de tal Instituição que se estabeleceu a festa de Nossa Senhora das Mercês”.

O nome feminino, Mercedes, vem deste título especial da Virgem Maria.

 

 

Nossa Senhora das Mercês, rogai por nós!

 

 

 

 

Com São Geraldo Sagredo, Bispo, preceptor de Santo Américo, Príncipe adolescente, filho do Rei Santo Estêvão.