Dedicação da Basílica do Santíssimo Salvador ou de São João de Latrão

Segundo uma tradição que remonta ao século XII, celebra se neste dia o aniversário da dedicação da Basílica de Latrão, construída pelo imperador Constantino.

Inicialmente foi uma festa exclusivamente da cidade de Roma; mais tarde, estendeu se à Igreja de rito romano, com o fim de honrar a Basílica que é chamada «a igreja mãe de todas as igrejas da Urbe e do Orbe» e como sinal de amor e unidade para com a Cátedra de Pedro que, como escreveu Santo Inácio de Antioquia, «preside à assembleia universal da caridade».

Hoje a Igreja celebra a festa da igreja-mãe de todas as igrejas de Roma e do mundo: a dedicação da Basílica do Santíssimo Salvador ou de São João de Latrão.

Esta Basílica foi construída por Constantino na colina de Latrão ou Lateranense, quando era Papa Melquíades (311-314).

Ao contrário do que muitos pensam, é esta Basílica e não a Basílica de São Pedro, no Vaticano, o templo mais antigo. Aqui foram celebrados cinco Concílios ecumênicos. Nela se guardam relíquias.

A festa de hoje tem um caráter importante, que é celebrar a unidade e o respeito para com a Sé Romana.

 

 

 

Com Santo Ursino, Bispo, São Gregório de Tours  escreveu: Teria assistido ao Lavapés, à Paixão, não deixando os Apóstolos durante os quarenta dias que seguiram a Ressurreição. Assistiu à Ascensão e ao Pentecostes. Depois acompanhou Santo Estevão até os eu martírio, recolhendo-lhe os restos. Enterrou-os, e foi expor todos os sucessos a São Pedro. Tendo ficado ao lado do Príncipe dos Apóstolos, acompanhou-os, mais tarde, a Roma. Ali, assistiu a sua crucifixão.