Comemoração de todos os Fiéis Defuntos

Nesse dia, a Igreja, Mãe piedosa, depois da sua solicitude em celebrar com os devidos louvores todos os seus filhos que se alegram no Céu, quer interceder diante de Deus pelas almas de todos os que nos precederam marcados com o sinal da fé e agora dormem na esperança da ressurreição, bem como por todos os defuntos desde o princípio do mundo cuja fé só Deus conhece, a fim de que, purificados de toda a mancha do pecado, sejam associados aos cidadãos celestes, para poderem gozar da visão da felicidade eterna.

O dia de finados deve ser um momento de reflexão acerca de como anda a nossa conversão. Não podemos esquecer-nos de que um dia estaremos também partindo desta vida. Não podemos ignorar isso, pois, como um ladrão na noite, como diz o Evangelho, esse dia chegará. Felizes aqueles que foram “apanhados” em oração, com os Sacramentos em dia.

Muitos, dos que lamentam a perda de um ente querido, ao invés de serem verdadeiramente santos para, um dia, voltarem a encontrar-se com seus parentes e amigos que partiram desta vida, tomam um outro rumo, ora distanciando-se de Deus e da Sua Igreja ora vivendo uma fé morna, como diz Jesus. Não percebem que, ao fazer isso, desperdiçam a única oportunidade que têm de rever essas pessoas.

Do século IV em diante, as Igrejas do Oriente celebravam uma festa comum a todos os mártires da terra. Santo Efrém compôs, para esta circunstância, um hino em que se via que em Edessa aquela festa estava fixada no dia 13 de Maio.

Na Síria, era celebrada na sexta-feira depois da Páscoa.

Numa homilia sobre os mártires, o grande São João Crisóstomo a ela se refere colocada no primeiro domingo depois de Pentecostes.

Almas dos fieis defuntos, rogai a Deus por nós!

Oração – Nós vos saudamos, ó Almas Santas e sofredoras, que vos purificais nas chamas do Purgatório; nós compartilhamos as vossas dores, os sofrimentos, principalmente daquela dor imensa e torturante de não poderdes ver a Deus. Ajudai-nos a rever nossa vida, nossa fé e, pela glória de Deus, mudar de rumo, se necessário for. Amém!

 

 

Com Beata Margarida de Lorena, que era duquesa de Alençon e, ao ficar viúva, abraçou a vida religiosa no mosteiro das Clarissas, que ela tinha fundado.