Beato Fra Angélico, Presbítero, pintor

João de Fiesole, nascido  Guido de Pietro, nasceu em 1387, na cidade de Mugelo, na Toscana, Itália. Entrou, com seu irmão, Bento, para o convento de Fiesole. Oração, estudo e austeridade aperfeiçoaram o espírito e o pincel do Frei Giovanni, levando-o a traduzir em imagens, repletas de humanidade e misticismo, os frutos da sua oração. Crucifixos, imagens de Nossa Senhora, Anunciações, vibrantes luzes diáfanas e retábulos de altares foram expressões de uma alma que, na simplicidade evangélica, mediante um trabalho disciplinado de oficina, soube viver com o coração no céu. Narra-se que ele pintava de joelhos e jamais iniciava suas obras sem rezar, comovendo-se quando reproduzia Cristo na cruz.

A doçura, a graça e a beatitude das figuras, nascidas do “impulso” do seu pincel, revelavam uma  alma de muta oração. A propósito, Vasari escrevia que ele “tinha o costume de não retocar as pinturas […] achando que esta era a vontade de Deus”.

Este frade-pintor foi um dom magnífico feito por Deus para a Ordem, pois deu também um imenso auxílio financeiro aos co-irmãos, porque, obedecendo ao voto de pobreza, destinou à Ordem todos os seus ganhos como artista, que eram tão expressivos quanto a sua genialidade.

A santa austeridade, os estudos profundos, a perene elevação da alma a Deus, mediante as orações contemplativas, apuraram o seu espírito e lhe abriram horizontes ocultos.

Com este preparo e com seus mágicos pincéis, pode proporcionar a todos o fruto da própria contemplação, representando o mais sagrado dos poemas, a divina redenção humana pela Paixão de Jesus Cristo.

As suas pinturas são uma oração que ressoa através dos séculos. Esta alma de uma simplicidade evangélica, soube viver com o coração no céu,  consagrando-se num incessante trabalho. nunca executou uma obra, sem antes rezar uma oração.

Entre 1425 e 1438, viveu retirado, onde retomou o trabalho pintando os frescos de quase todos os altares da igreja do convento de Fiesole. Depois foi a vez do convento de São Marcos, em Florença, onde deixou suas obras impressas nos corredores, celas, bibliotecas, claustros, ao longo de seis anos.

A partir de 1445 foi para Roma, onde trabalhou para dois papas: Eugênio IV e Nicolau V. Este último, tentou consagrá-lo Bispo de Florença, mas ele recusou com firmeza, indicando outro irmão dominicano.

Regressou  ao convento de Fiesole, cinco anos depois, no qual foi eleito o Diretor Geral. Alí trabalhou com seu irmão Bento, que o nomeou inicialmente como seu secretário e depois conseguiu que fosse eleito seu sucessor, em 1452.

Frei João de Fiesole, voltou para Roma, onde morreu no dia 18 de fevereiro de 1455.

Beato Fra Angélico, rogai por nós!

Oração – A pessoa pura é toda alma, toda transparente de luz , suas virgens reluzentes, como dotadas de um fulgor vindo de dentro para fora e que ilumina todo o seu ser. Amem

Com Santo Angilberto, Abade e Confessor. Ou Engelberto, era filho de importante senhor da corte do Rei Pepino. Educado no palácio real, foi secretário de Carlos Magno.