Anunciação do Senhor

Digamos hoje devotamente com o arcanjo Gabriel: Ave Maria, gratia plena. Eu vos saúdo, ó criatura perfeitíssima! Eu vos saúdo, virgem puríssima! Eu vos saúdo, ó Maria, cheia de graça, de beleza, de perfeição, de méritos perante o trono do Eterno; cheia de graça, de bondade, de amor, de misericórdia pelos vossos filhos que gemem ainda neste vale de lágrimas, por nós, pobres pecadores!

Eu vos saúdo com o anjo Gabriel; eu vos saúdo com ele por todos os anjos e arcanjos, por todos os tronos e dominações, por todos os querubins e serafins; eu vos saúdo com esse enviado de Deus, por Deus mesmo, pelo Pai que vos escolheu hoje por sua mãe, pelo Espírito Santo que vos escolheu hoje por esposa. Eu vos saúdo, enfim, ó Maria, permiti-mo, eu vos saúdo por mim e por todos os pecadores, cuja redenção é tratada hoje entre Vós e Deus.

Meu Deus, quem poderá compreender a honra que dais neste dia a Maria! Enviais-lhe vosso embaixador, um dos primeiros príncipes de vossa corte. E lhe enviais não somente para saudá-la e celebrar-lhe os louvores, mas para tratar com ela do grande mistério de vossa sabedoria e vossa misericórdia, da redenção dos homens e da glorificação de vosso nome em todos os séculos.

Para tratar com Ela de grandes coisas e obter-lhe o consentimento. Ela hesita, pensa, opõe como obstáculo a virgindade que prometeu ao Senhor. É necessário que o arcanjo lhe assegure que, por um milagre único de vosso poder, se tornará Mãe sem perder a virgindade. E só então Ela consentiu em aceitar a honra incomparável da maternidade divina, dizendo com profunda humildade: “Eis aqui a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo vossa palavra.”

Era esse humilde consentimento que as três pessoas divinas esperavam. O Pai Eterno para lhe comunicar a honra inefável de gerar no tempo aquele que ele gera em toda a eternidade. O Filho, para tomar, em seu seio puríssimo, a carne inocente que devia imolar sobre a Cruz, o Espírito Santo, para operar Nela o mais estonteante de todos os mistérios. Ó minha alma, mergulha no abismo da admiração!

Ó Maria, não apenas Deus vos eleva hoje a uma dignidade incomparável, como também vos faz digna por sua graça e misericórdia. Depois disso, que poderei fazer eu para vos louvar, vos bendizer, vos amar dignamente? Que podem todos os homens? Que podem todos os anjos em comparação do que Deus fez por vós?

Ó Maria que vos direi? Meu coração está cheio, tão cheio, que não sei o que vos dizer. Depois de Deus, sois Vós que eu amo, sóis Vós que honro, sois Vós que quero servir. Depois de Deus, sois Vós o meu amor, minha alegria, minha felicidade no tempo e na eternidade.

Ave Maria puríssima, sem pecado concebida!

 

Com Santo ladrão, chamado “Dimas”, segundo a tradição, que na cruz professou a fé em Cristo e mereceu ouvir d’Ele estas palavras: «Hoje estarás comigo no Paraíso».

 

 

Martirológio – Secretariado Nacional de Liturgia – PT

Março 25

2. Comemoração do santo ladrão, chamado “Dimas”, segundo a tradição, que na cruz professou a fé em Cristo e mereceu ouvir d’Ele estas palavras: «Hoje estarás comigo no paraíso».

3. Em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia, São Dula, mártir.(† data inc.)

4. Em Roma, no cemitério de Ponciano, junto à Via Portuense, São Quirino, mártir.(† data inc.)

5. Em Tessalônica, cidade da Macedônia, na atual Grécia, Santa Matrona, mártir, que, sendo serva de uma mulher da Judeia, secretamente seguia a fé de Cristo; descoberta pela sua senhora, foi atormentada com vários suplícios; finalmente, flagelada até à morte, confessando o nome de Cristo entregou incorrupto o seu espírito a Deus.(† data inc.)

6. Em Milão, na Transpadânia, hoje na Lombardia, região da Itália, São Mona, bispo.(† c. 300)

7. Na ilha de Indre, próximo de Nantes, na França, Santo Hermelando, que passou da corte régia ao mosteiro de Fontenelle e depois foi o primeiro abade do mosteiro do lugar.(† c. 720)

8. Em Mâmmola, próximo de Gerace, na Calábria, região da Itália, São Nicodemos, eremita, que foi mestre de vida monástica, insigne pela sua austeridade e grandes virtudes.(† 990)

9. Em Sázava, na Boémia, atualmente na Chéquia, São Procópio, que, deixando a esposa e o filho, se consagrou à vida eremítica, depois dirigiu o mosteiro por ele fundado neste lugar e celebrou os louvores divinos no rito grego e em língua eslava.(† 1053)

10. Em Schaffhausen, na Suábia, atualmente na Alemanha, o Beato Everardo, conde de Nellenburg, que abraçou a vida monástica no cenóbio de Todos os Santos por sua intervenção construído.(† 1078)

11. Em Costacciaro, na Úmbria, região da Itália, o Beato Tomás, eremita, que passou sessenta e cinco anos de vida anacorética e ensinou outros a seguir o mesmo caminho espiritual.(† 1337)

12. Em York, na Inglaterra, Santa Margarida Clitherow, mártir, que, com o assentimento do esposo, aderiu à fé católica, nela educou os filhos e se prontificou a esconder em sua casa os sacerdotes perseguidos; por isso foi presa várias vezes, no reinado de Isabel I, e recusando defender a sua causa no tribunal, para que não pesasse sobre a consciência dos conselheiros do juiz o remorso de uma condenação à morte, foi esmagada sob um enorme peso até a morte por Cristo.(† 1586)

13. Em Winton, também na Inglaterra, o Beato Jaime Bird, mártir, que, sob o governo da mesma rainha, com dezanove anos de idade e recentemente convertido à fé católica, por ter recusado participar numa liturgia herética mereceu entrar na celebração do culto celeste.(† 1592)

14. Em Montefiascone, na Toscana, hoje no Lácio, região da Itália, Santa Lúcia Filippíni, fundadora do Instituto das Piedosas Mestras, destinado a promover a formação das jovens e mulheres, principalmente as mais pobres.(† 1732)

15. Em Niederweinigen, próximo de Essen, na Alemanha, a Beata Maria Rosa Flesch (Margarida Flesch), virgem, fundadora do Instituto das Irmãs Franciscanas de Santa Maria dos Anjos.(† 1906)

16. Em Roma, junto de São Paulo, na Via Ostiense, o Beato Plácido Riccárdi, presbítero da Ordem de São Bento, que, atormentado por contínuas febres, enfermidades e paralisia, seguiu indefectivelmente a observância regular e a oração e ensinou aos outros a mesma atitude exemplar.(† 1915)

17. Em Chervonohrad, cidade próxima de L’viv, na Ucrânia, a Beata Josafata (Miquelina Hordáshevska), virgem, que, no Instituto das Irmãs Servas de Maria Imaculada por ela fundado, se dedicou a fazer o bem onde houvesse maior necessidade.(† 1919)

18. Em Ein Keren, próximo de Jerusalém, Santa Maria Alfonsina Danil Ghattas, virgem, fundadora da Congregação das Irmãs Dominicanas do Santíssimo Rosário de Jerusalém.(† 1927)

19. Em Majdanek, cidade próxima de Lublin, na Polônia, o Beato Emiliano Kovc, presbítero e mártir, que, durante a guerra, deportado para um campo de concentração, pelo combate da fé alcançou a vida eterna.(† 1944)

20. No campo de concentração de Dachau, perto de Munique, cidade a Baviera, na Alemanha, o Beato Hilário Januszewski, presbítero da Ordem dos Irmãos Descalços de Nossa Senhora do Carmo e mártir, que, durante a guerra, deportado da Polônia para um cárcere estrangeiro pelo nome de Cristo, morreu contagiado pela tuberculose na assistência aos enfermos, deixando um insigne testemunho de fé e caridade.(† 1945)