Biblia Online

São Mateus, 20

1 - Com efeito, o Reino dos céus é semelhante a um pai de família que saiu ao romper da manhã, a fim de contratar operários para sua vinha.

2 - Ajustou com eles um denário por dia e enviou-os para sua vinha.

3 - Cerca da terceira hora, saiu ainda e viu alguns que estavam na praça sem fazer nada.

4 - Disse-lhes ele: - Ide também vós para minha vinha e vos darei o justo salário.

5 - Eles foram. À sexta hora saiu de novo e igualmente pela nona hora, e fez o mesmo.

6 - Finalmente, pela undécima hora, encontrou ainda outros na praça e perguntou-lhes: - Por que estais todo o dia sem fazer nada?

7 - Eles responderam: - É porque ninguém nos contratou. Disse-lhes ele, então: - Ide vós também para minha vinha.

8 - Ao cair da tarde, o senhor da vinha disse a seu feitor: - Chama os operários e paga-lhes, começando pelos últimos até os primeiros.

9 - Vieram aqueles da undécima hora e receberam cada qual um denário.

10 - Chegando por sua vez os primeiros, julgavam que haviam de receber mais. Mas só receberam cada qual um denário.

11 - Ao receberem, murmuravam contra o pai de família, dizendo:

12 - - Os últimos só trabalharam uma hora... e deste-lhes tanto como a nós, que suportamos o peso do dia e do calor.

13 - O senhor, porém, observou a um deles: - Meu amigo, não te faço injustiça. Não contrataste comigo um denário?

14 - Toma o que é teu e vai-te. Eu quero dar a este último tanto quanto a ti.

15 - Ou não me é permitido fazer dos meus bens o que me apraz? Porventura vês com maus olhos que eu seja bom?

16 - Assim, pois, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. [ Muitos serão os chamados, mas poucos os escolhidos.]

17 - Subindo para Jerusalém, durante o caminho, Jesus tomou à parte os Doze e disse-lhes:

18 - Eis que subimos a Jerusalém, e o Filho do Homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes e aos escribas. Eles o condenarão à morte.

19 - E o entregarão aos pagãos para ser exposto às suas zombarias, açoitado e crucificado mas ao terceiro dia ressuscitará.

20 - Nisso aproximou-se a mãe dos filhos de Zebedeu com seus filhos e prostrou-se diante de Jesus para lhe fazer uma súplica.

21 - Perguntou-lhe ele: Que queres? Ela respondeu: Ordena que estes meus dois filhos se sentem no teu Reino, um à tua direita e outro à tua esquerda.

22 - Jesus disse: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu devo beber? Sim, disseram-lhe.

23 - De fato, bebereis meu cálice. Quanto, porém, ao sentar-vos à minha direita ou à minha esquerda, isto não depende de mim vo-lo conceder. Esses lugares cabem àqueles aos quais meu Pai os reservou.

24 - Os dez outros, que haviam ouvido tudo, indignaram-se contra os dois irmãos.

25 - Jesus, porém, os chamou e lhes disse: Sabeis que os chefes das nações as subjugam, e que os grandes as governam com autoridade.

26 - Não seja assim entre vós. Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, se faça vosso servo.

27 - E o que quiser tornar-se entre vós o primeiro, se faça vosso escravo.

28 - Assim como o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar sua vida em resgate por uma multidão.

29 - Ao sair de Jericó, uma grande multidão o seguiu.

30 - Dois cegos, sentados à beira do caminho, ouvindo dizer que Jesus passava, começaram a gritar: Senhor, filho de Davi, tem piedade de nós!

31 - A multidão, porém, os repreendia para que se calassem. Mas eles gritavam ainda mais forte: Senhor, filho de Davi, tem piedade de nós!

32 - Jesus parou, chamou-os e perguntou-lhes: Que quereis que eu vos faça?

33 - Senhor, que nossos olhos se abram!

34 - Jesus, cheio de compaixão, tocou-lhes os olhos. Instantaneamente recobraram a vista e puseram-se a segui-lo.