Biblia Online

Jó, 31

1 - Eu havia feito um pacto com meus olhos: não desejaria olhar nunca para uma virgem.

2 - Que parte me daria Deus lá do alto, que sorte o Todo-poderoso me enviaria dos céus?

3 - A infelicidade não está reservada ao injusto, e o infortúnio ao iníquo?

4 - Não conhece Deus os meus caminhos, e não conta todos os meus passos?

5 - Se caminhei com a mentira, se meu pé correu atrás da fraude,

6 - que Deus me pese em justas balanças e reconhecerá minha integridade.

7 - Se meus passos se desviaram do caminho, se meu coração seguiu meus olhos, se às minhas mãos se apegou qualquer mácula,

8 - semeie eu e outro o coma, e que minhas plantações sejam desenraizadas!

9 - Se meu coração foi seduzido por uma mulher, se fiquei à espreita à porta de meu vizinho,

10 - que minha mulher gire a mó para outro e que estranhos a possuam!

11 - Pois isso teria sido um crime, um delito dependente da justiça,

12 - um fogo que devoraria até o abismo, e que teria arruinado todos os meus bens.

13 - Nunca violei o direito de meus escravos, ou de minha serva, em suas discussões comigo.

14 - Que farei eu quando Deus se levantar? Quando me interrogar, que lhe responderei?

15 - Aquele que me criou no ventre, não o criou também a ele? Um mesmo criador não nos formou no seio da nossa mãe?

16 - Não recusei aos pobres aquilo que desejavam, não fiz desfalecer os olhos da viúva,

17 - não comi sozinho meu pedaço de pão, sem que o órfão tivesse a sua parte

18 - desde minha infância cuidei deste como um pai, desde o ventre de minha mãe fui o guia da viúva.

19 - Se vi perecer um homem por falta de roupas, e o pobre que não tinha com que cobrir-se,

20 - sem que seus rins me tenham abençoado, aquecido como estava com a lã de minhas ovelhas

21 - se levantei a mão contra o órfão, quando me via apoiado pelos juízes,

22 - que meu ombro caia de minhas costas, que meu braço seja arrancado de seu cotovelo!

23 - Pois o temor de Deus me invadiu, e diante de sua majestade não posso subsistir.

24 - Nunca pus no ouro minha segurança, nem jamais disse ao ouro puro: És minha esperança.

25 - Nunca me rejubilei por ser grande a minha riqueza, nem pelo fato de minha mão ter ajuntado muito.

26 - Quando eu via o sol brilhar, e a lua levantar-se em seu esplendor,

27 - jamais meu coração deixou-se seduzir em segredo, e minha mão não foi levada à boca para um beijo.

28 - Isto seria um crime digno de castigo, pois eu teria renegado o Deus do alto.

29 - Nunca me alegrei com a ruína de meu inimigo, e nem exultei quando a infelicidade o feriu.

30 - Não permiti que minha língua pecasse, reclamando sua morte por uma imprecação.

31 - Jamais as pessoas de minha tenda me disseram: Há alguém que não saiu satisfeito.

32 - O estrangeiro não passava a noite fora, eu abria a minha porta ao viajante.

33 - Nunca dissimulei minha culpa aos homens, escondendo em meu peito minha iniqüidade,

34 - como se temesse a multidão e receasse o desprezo das famílias, a ponto de me manter quieto sem pôr o pé fora da porta.

35 - Oh, se eu tivesse alguém para me ouvir! Eis a minha assinatura: que o Todo-poderoso me responda! Que o meu adversário escreva também um memorial.

36 - Será que eu não o poria sobre meus ombros, e não cingiria minha fronte com ele como de uma coroa?

37 - Dar-lhe-ia conta de todos os meus passos, e me apresentaria diante dele altivo como um príncipe.

38 - Se minha terra clamou contra mim, e seus sulcos derramaram lágrimas,

39 - se comi seus frutos sem pagar, se afligi a alma de seu possuidor,

40 - que em vez de trigo produza espinhos, e joio em vez de cevada! Aqui terminam os discursos de Jó.