Biblia Online

I Macabeus, 4

1 - Tomando consigo cinco mil homens e mil cavaleiros de elite, Górgias se pôs a caminho à noite

2 - para surpreender o acampamento dos judeus e atacá-lo de improviso. A gente da cidadela servia-lhe de guia.

3 - Mas Judas o soube, e com seus destemidos companheiros saiu para esmagar aquelas forças do rei que tinham ficado perto de Emaús,

4 - enquanto as tropas estavam espalhadas na planície.

5 - Chegou Górgias à noite ao acampamento de Judas, mas não encontrou ninguém pôs-se então à sua procura nas montanhas, dizendo: Fugiram diante de nós.

6 - Todavia Judas apareceu na planície ao despertar do dia com três mil homens, que, excetuando espadas e escudos, não estavam armados como o teriam querido

7 - entrementes viram eles o campo dos gentios poderoso, fortificado de cavalaria e os próprios inimigos prontos para o combate.

8 - Não temais seu número, disse Judas a seus companheiros, e nem receeis seu choque.

9 - Lembrai-vos como nossos pais foram salvos no mar Vermelho, quando o faraó os perseguia com seu exército.

10 - Gritemos agora para o céu para que ele se apiade de nós, que se lembre da Aliança com nossos antepassados e queira hoje esmagar esse exército aos nossos olhos.

11 - Todas as nações saberão que Israel possui um libertador e um salvador.

12 - Erguendo os olhos, os gentios viram-nos avançar contra eles

13 - e saíram do acampamento para a luta, enquanto os homens de Judas soavam a trombeta.

14 - Travou-se a batalha, mas os inimigos, derrotados, puseram-se em fuga através da planície.

15 - Os últimos tombaram todos sob a espada, enquanto eram perseguidos até Gazara e as planícies de Iduméia, de Azot e de Jânia. E sucumbiram cerca de três mil.

16 - Então Judas parou de persegui-los, voltou atrás com suas tropas pelo mesmo caminho,

17 - e disse: Não penseis nos despojos, porque outro combate nos aguarda:

18 - Górgias está perto de nós na montanha, com suas forças. No momento, enfrentai o inimigo e combatei após isto, podereis apoderar-vos de seus despojos, com toda a segurança.

19 - Ainda Judas falava, quando alguns homens apareceram e olharam de cima da montanha.

20 - Viram que o exército tinha sido posto em fuga e que o acampamento se queimava porque a fumaça que se percebia indicava o que se passara.

21 - À vista disso todos foram tomados de grande espanto e, certificando-se de que o exército de Judas se achava na planície, pronto para o combate,

22 - fugiram todos para terra estrangeira.

23 - Judas voltou para pilhar o acampamento, e seus homens apoderaram-se de muito ouro, prata, jacinto, púrpura marinha, e de grandes riquezas.

24 - Ao voltarem, cantavam hinos e elevavam ao céu os louvores do Senhor, porque ele é bom e sua misericórdia é eterna.

25 - Israel foi, com efeito, naquele dia salvo de um grande perigo.

26 - Os gentios que escaparam vieram contar a Lísias os acontecimentos,

27 - o qual ficou consternado e abatido ouvindo-os, porque Israel não tinha sido tratado como ele quis, e porque as ordens do rei não tinham sido cumpridas.

28 - Por isso, no ano seguinte, reuniu Lísias sessenta mil infantes escolhidos e cinco mil cavaleiros para acabar com os judeus.

29 - Esse exército veio da Iduméia acampar em Betsur. Judas foi-lhe ao encontro com dez mil homens.

30 - Tendo ante os olhos esse poderoso exército, rezou nestes termos: Sede bendito, Salvador de Israel, vós que quebrastes a força do poderoso pela mão do vosso servo Davi e entregastes os exércitos estrangeiros nas mãos de Jônatas e do seu escudeiro.

31 - Entregai esse exército ao poder do povo de Israel e confundi nossos inimigos com suas tropas e sua cavalaria.

32 - Inspirai-lhes o terror, fazei derreter seu orgulho audaz. Que eles sejam sacudidos e pisados.

33 - Derribai-os sob a espada dos que vos amam e que todos aqueles que conhecem vosso nome cantem vossos louvores.

34 - Travou-se então o combate, e do exército de Lísias tombaram cinco mil homens, que sucumbiram diante deles.

35 - Vendo seu exército posto em fuga e os judeus cheios de bravura, prontos a viver ou a morrer valentemente, voltou Lísias a Antioquia para arregimentar tropas de mercenários, com o intuito de reaparecer na Judéia com um exército mais forte.

36 - Judas e seus irmãos disseram então: Eis que nossos inimigos estão aniquilados subamos agora a purificar e consagrar de novo os lugares santos.

37 - Reunido todo o exército, subiram à montanha de Sião.

38 - Contemplaram a desolação dos lugares santos, o altar profanado, as portas queimadas, os átrios cheios de arbustos que tinham nascido como num bosque ou sobre as colinas, os aposentos demolidos.

39 - Rasgando suas vestes, eles se lamentaram muito e cobriram as cabeças com cinza,

40 - prostraram-se com o rosto por terra, tocaram as trombetas e ergueram clamores ao céu.

41 - Então Judas encarregou alguns homens de combater os soldados da cidadela, enquanto purificavam o templo.

42 - Escolheu sacerdotes sem mancha e zelosos pela lei,

43 - os quais purificaram o templo, transportando para um lugar impuro as pedras contaminadas.

44 - Consultaram-se entre si, o que se deveria fazer do altar dos holocaustos, que havia sido profanado,

45 - e tomaram a excelente resolução de demoli-lo, para que não recaísse sobre eles o opróbrio vindo da mancha dos gentios. Destruíram-no, portanto,

46 - e transportaram suas pedras a um lugar conveniente sobre a montanha do templo, aguardando a decisão de algum profeta a esse respeito.

47 - Tomaram pedras intactas, segundo a lei, e construíram um novo altar, semelhante ao primeiro.

48 - Restauraram também o templo e o interior do templo e purificaram os átrios.

49 - Fizeram novos vasos sagrados e transportaram ao santuário o candeeiro, o altar dos perfumes, e a mesa.

50 - Queimaram incenso no altar, acenderam as lâmpadas do candeeiro, para alumiarem o templo,

51 - colocaram pães sobre a mesa e suspenderam os véus, terminando completamente seu trabalho.

52 - No dia vinte e cinco do nono mês, isto é, do mês de Casleu, do ano cento e quarenta e oito, eles se levantaram muito cedo,

53 - e ofereceram um sacrifício legal sobre o novo altar dos holocautos, que haviam construído.

54 - Foi no mesmo dia e na mesma data em que os gentios o haviam profanado, que o altar foi de novo consagrado ao som de cânticos, das harpas, das liras e dos címbalos.

55 - Todo o povo se prostrou com o rosto em terra para adorar e bendizer no céu aquele que os havia conduzido ao triunfo.

56 - Prolongaram por oito dias a dedicação do altar, oferecendo com alegria holocaustos e sacrifícios de ações de graças e de louvores.

57 - Adornaram a fachada do templo com coroas de ouro e com pequenos escudos, consagraram as entradas do templo e os quartos, nos quais colocaram portas.

58 - Reinou uma alegria imensa entre o povo e o opróbrio das nações foi afastado.

59 - Foi estabelecido por Judas e seus irmãos, e por toda a assembléia de Israel que os dias da dedicação do altar seriam celebrados cada ano em sua data própria, durante oito dias, a partir do dia vinte e cinco do mês de Casleu, e isto com alegria e regozijo.

60 - Na mesma época cercaram a montanha de Sião com uma alta muralha com fortes torres, para que não fosse mais possível às nações pisá-la aos pés, como outrora.

61 - Judas pôs ali tropas para guardá-la e fortificou também Betsur para protegê-la, a fim de que o povo tivesse uma muralha do lado da Iduméia.