Oração a Maria, para seus fiéis escravos (S. Luiz M. G. de Montfort)

Oração a Maria, para seus fiéis escravos (S. Luiz M. G. de Montfort)

Ave, Maria, Filha bem-amada do Pai Eterno; ave, Maria, Mãe admirável do Filho; ave, Maria, Esposa fidelíssima do Espírito Santo! Ave, Maria, minha querida Mãe, minha amável Senhora e poderosa Soberana; ave, minha alegria, minha glória, meu coração e minha alma! Vós me pertenceis toda por misericórdia, e eu vos pertenço todo por justiça. Mas não vos pertenço todo ainda; de novo me dou a Vós todo inteiro, na qualidade de escravo perpétuo, sem nada reservar para mim ou para outrem.

Se vedes em mim qualquer coisa que não Vos pertença, eu Vos suplico que a tomeis agora, e Vos torneis Senhora de tudo quanto possuo; que destruais, desarraigueis e aniquileis tudo o que em mim desagrada em mim desagrada a Deus; e que planteis, promovais e opereis em mim tudo o que Vos agradar.

Que a luz de vossa fé dissipe as trevas de meu espírito; que vossa humildade profunda tome o lugar de meu orgulho; que vossa contemplação sublime suste as distrações de minha imaginação vadia; que a vossa visão contínua de Deus encha a minha memória de sua presença; que o incêndio da caridade de vosso coração dilate e abrase a tibieza e frieza do meu; que vossas virtudes substituam meus pecados; que vossos méritos sejam o meu ornamento e suplemento perante Deus. Enfim, Mãe querida e amada, fazei, se possível for, que eu não tenha outro espírito senão o vosso, para conhecer Jesus Cristo e suas divinas vontades; que não tenha outra alma senão a vossa, para louvar e glorificar o Senhor, que não tenha outro coração senão o vosso para amar a Deus com um amor puro e ardente como Vós.

Não Vos peço visões ou revelações ou deleites ou prazeres, nem mesmo espirituais. É privilégio vosso ver claramente, sem trevas; deleitar-Vos plenamente, sem amargor; triunfar gloriosamente à direita de vosso Filho, no Céu, sem humilhação alguma; dominar absolutamente sobre os Anjos, os homens e os demônios, sem resistência, e, enfim, dispor de todos os bens de Deus segundo a vossa vontade, sem restrição alguma.

Eis, divina Maria, a ótima parte que o Senhor Vos deu e que não Vos será tirada – e isto me deleita sobremaneira. Por minha parte, não quero nesta Terra senão o que Vós tivestes, a saber: crer puramente, sem nada sentir ou ver; sofrer alegremente, sem consolação das criaturas; morrer continuamente a mim mesmo, sem trégua; e trabalhar resolutamente, até a morte, por Vós, sem interesse algum, como o mais vil dos escravos. Uma só graça Vos peço, por pura misericórdia, é que, a todos os dias e momentos de minha vida, eu diga três vezes Amem: Assim seja, a tudo que fizestes na Terra, enquanto nela vivestes. Assim seja, a tudo que fazeis agora no Céu. Assim seja, a tudo que operais em minha alma, a fim de que nela só Vós estejais para glorificar plenamente a Jesus em mim, no tempo e na eternidade. Amem.



Voltar