I – RETRATO DE JACINTA

2. Delicadeza de alma

Um dia, um desses pequenos acusou outro de ter dito algumas palavras pouco decentes. Minha Mãe repreendeu-o com toda a severidade, dizendo que aquelas coisas feias não se diziam, que era pecado e que o Menino Jesus se desgostava e mandava para o inferno os que faziam pecados, se não se confessavam. A pequenina não esqueceu a lição. No primeiro dia que encontrou a dita reunião de crianças, disse:

- Hoje tua Mãe não te deixa ir?

- Não.

- Então eu vou para o meu pátio, com o Francisco.

- E por que não ficas aqui?

- Minha Mãe não quer que, quando estiverem estes, aqui fiquemos. Disse que fôssemos para o nosso pátio brincar. Não quer que aprenda essas coisas feias que são pecados e que o Menino Jesus não gosta.

Depois, disse-me baixinho, ao ouvido:

- Se tua Mãe te deixar, vens cá ter a minha casa?

- Sim.

- Então vai a pedir-lhe.

E tomando a mão do Irmão, lá foi para sua casa.

Como já disse, um dos seus jogos escolhidos era o das prendas. Como V. Excia. Revma. decerto sabe, quem ganha manda, ao que perde, fazer uma coisa qualquer que lhe parecer. Ela gostava de mandar correr atrás das borboletas até apanhar uma e levar-lhe. Outras vezes, mandava procurar uma flor qualquer que ela escolhia. Um dia, jogávamos isto em casa de meus pais e tocou-me a mim mandá-la a ela. Meu Irmão estava sentado a escrever junto duma mesa. Mandei-a, então, dar-lhe um abraço e um beijo, mas ela respondeu:

- Isso, não! Manda-me outra coisa. Por que não me mandas beijar aquele Nosso Senhor que está ali? (era um crucifixo que havia pendurado na parede).

- Pois sim - respondi - Sobes acima duma cadeira, trazê-lo para aqui e, de joelhos, dás-lhe três abraços e três beijos: um pelo Francisco, outro por mim e outro por ti.

- A Nosso Senhor dou todos quantos quiseres.

E correu a buscar o crucifixo. Beijou-o e abraçou-o com tanta devoção, que nunca mais me esqueceu aquela ação. Depois, olha com atenção para Nosso Senhor e pergunta:

- Por que está Nosso Senhor assim pregado numa cruz?

- Porque morreu por nós.

- Conta-me como foi.



Rua Martim Francisco, 665 - Santa Cecília - São Paulo - SP - CEP 01226-001
(11) 2206-4540
vindesenhoradefatima@fatima.org.br